AFP
AFP

Brasil cede empate para o Uruguai após início promissor

Seleção deixa gramado da Arena Pernambuco sob vaias

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2016 | 00h07

No confronto entre amigos, Uruguai e Brasil empataram por 2 a 2 na Arena Pernambuco, nesta sexta-feira, mas Suárez deixou o gramado como vitorioso diante de Neymar. O uruguaio fez o gol que evitou a derrota fora de casa enquanto o brasileiro deu uma assistência, mas não conseguiu aproveitar as oportunidades e ainda levou cartão amarelo, que o tira do confronto com o Paraguai, na terça-feira. E o Brasil deixou Pernambuco debaixo de vaias. 

Com o resultado, o Brasil chegou aos 10 pontos e se manteve na terceira colocação, com o Uruguai em segundo, somando 12 pontos. Além do faro de gol de Suárez, outro diferencial da partida foi David Luiz. Inseguro durante os 90 minutos, foi o alvo preferido dos uruguaios.

Antes da partida, a torcida fez um rápido protesto com xingamentos contra a presidente Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores. Com a bola rolando, os holofotes estavam direcionados para os atacantes do Barcelona e artilheiros de suas seleções. Durante a semana, o assunto foi a volta de Suárez e a boa fase do brasileiro, que marcou quatro gols nos últimos três jogos pelo Barcelona. 

Mas o que se viu foram coadjuvantes dando as caras e se aproveitando da marcação cerrada em cima das estrelas para aparecer. Foi assim que o Brasil abriu o placar logo aos dois minutos. Willian apareceu na frente da área e tocou para Douglas Costa, que pela esquerda, bateu cruzado e abriu o placar. A torcida, que encheu a arena pernambucana se preparou para ver uma festa, como ocorreu em 2012, quando a seleção atuou pela última vez na cidade, na goleada por 8 a 0 para a China.

Mas o Uruguai está longe de ser a China e isso ficou claro pouco tempo depois. Não antes do Brasil ampliar com o único lance em que Neymar foi Neymar. Aos 25, o atacante carregou a bola pela direita, tocou para Renato Augusto, que deu um drible de corpo em Muslera e fez o segundo gol.

Toda empolgação do time brasileiro se foi e o Uruguai, valente, acreditou que poderia evitar a derrota. Aos 31, Álvaro Pereira deu drible em Willian e levantou para Cavani descontar. 

Suárez, discreto em toda a primeira parte do jogo, resolveu aparecer justamente em David Luiz, o mesmo que sofreu em suas mãos quando o PSG enfrentou o Barcelona pela Copa dos Campeões. Aliás, não só Suárez, como Cavani também fez o que quis com o defensor brasileiro. Assim, logo aos dois, o brasileiro deu espaço e pagou caro. O astro do Barcelona bateu cruzado e empatou. Arena se calou de vez e teve que reverenciar Suárez. A vitória certa se tornou um empate com gosto de derrota.

O Brasil parou de jogar, assustado. O Uruguai cresceu e foi para cima com sua principal característica, a valentia. E só não conseguiu uma virada histórica graças a duas belas defesas de Alisson. Neymar, a estrela de amarelo, correu e não conseguiu resolver sozinho. Suárez também não teve uma atuação de galã, longe disso, e precisou contar com David Luiz para evitar a derrota uruguaia.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 x 2 URUGUAI

Gols: Douglas Costa, a 1 minuto; Renato Augusto, aos 25, Cavani aos 30 do primeiro tempo; Suárez aos 3 do 2º Tempo

BRASIL (4-3-3): Alisson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Fernandinho (Philippe Coutinho), Renato Augusto; Willian (Lucas Lima), Douglas Costa (Ricardo Oliveira) e Neymar. Técnico: Dunga.

URUGUAI (4-4-2): Fernando Muslera; Jorge Fucile, Sebastián Coates, Mauricio Victorino e Álvaro Pereira; Arévalo Rios, Matias Vecino, Carlos Sánchez (Stuani) e Cristian Rodriguez (Álvaro Gonzalez); Cavani e Luis Suárez. Técnico: Óscar Tabárez.

Juiz: Néstor Pitana (Argentina).

Cartões amarelos: Suárez, Neymar, Daniel Alves e David Luiz

Público: 43.898 pagantes.

Renda: R$ 4.961.890,00.

Local: Arena Pernambuco

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.