Brasil cede ponto que Bolívia não conquistava desde 2001

Seleção brasileira joga mal e pára na forte marcação da equipe boliviana, lanterna das Eliminatórias

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

11 de setembro de 2008 | 10h20

O empate do Brasil em 0 a 0 com a Bolívia na noite desta quarta-feira no Estádio Engenhão, no Rio de Janeiro, certamente entrará para a história dos dois países. De forma negativa para os brasileiros e positiva para os bolivianos.Veja também: 'A gordura que ganhamos no Chile, perdemos agora', diz Dunga Brasil só empata com a Bolívia e recebe as vaias da torcida Classificação das EliminatóriasDê seu palpite no Bolão Vip do Limão A seleção brasileira 'quebrou' um jejum do adversário, que desde 2001 não conseguia conquistar sequer um ponto em partidas fora de casa pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo.Em novembro daquele ano a Bolívia empatou por 1 a 1 com o Peru em Lima e encerrou sua participação na competição, ficando fora do Mundial de 2002. Depois disso, foram 13 derrotas seguidas até o confronto desta quarta.Mesmo assim, o técnico Dunga preferiu minimizar este fato. "Assim como a Bolívia não pontuava fora de casa há sete anos, o Brasil não ganhava do Chile fora há 48 anos e não foi isso tão falado", afirmou, em referência ao triunfo brasileiro sobre os chilenos no último domingo por 3 a 0 em Santiago. Historicamente o Brasil tem dificuldades para superar a Bolívia fora de casa, principalmente devido à altitude da capital do país, La Paz, que fica a cerca de 3.600 metros acima do nível do mar. No entanto, em território nacional, a seleção costumava golear o fraco adversário, com pouquíssima tradição no futebol internacional.PÚBLICOAlém da fragilidade boliviana, o futebol ruim do Brasil afastou o público do Engenhão na quarta. O estádio não estava lotado, fato que causou estranheza em Dunga."É lógico que para nós é estranho jogar com o estádio dessa forma. Depois do 3 a 0 no Chile no domingo era de se esperar que estivesse lotado", lamentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.