Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Brasil celebra ambiente no elenco e se diz comovido pelo carinho dos mineiros

Tite agradece apoio e aponta Belo Horizonte como a cidade com a convivência mais calorosa

Ciro Campos, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

02 de julho de 2019 | 09h30

Com tantas lesões no elenco durante a Copa América, a seleção brasileira garante ter encontrado um pouco de paz nos últimos durante a passagem por Belo Horizonte. A cidade sede da semifinal do torneio, a ser disputada contra a Argentina, nesta terça-feira, no Mineirão, deu à equipe uma das maiores demonstrações de carinho, na visão do técnico do Tite, pela grande interação entre a torcida e os jogadores. Veja como assistir Brasil x Argentina.

Apesar de não ter feito treinos abertos ao público, o elenco teve contato com a torcida nas saídas e chegadas ao hotel e procurado corresponder com fotos e autógrafos. "Foi o lugar de maior carinho, maior empatia. Mais que Porto Alegre, que é a minha terra", disse o treinador nesta segunda-feira. "Se a torcida puder trazer todo o carinho que tem dado quando chegamos ao hotel para o estádio vai deixar a mim e a todos os atletas gratificados e fortalecidos", comentou.

A seleção brasileira não vinha para Belo Horizonte desde novembro de 2016. Naquela ocasião, a equipe teve uma das melhores atuações das Eliminatórias para a Copa da Rússia, ao bater justamente a Argentina, por 3 a 0. Os gols foram marcados por Philippe Coutinho, Neymar e Paulinho. Na noite desta terça, será a vez de reencontrar o mesmo adversário em busca de uma vaga na final.

O último dia de preparação para o jogo contou com uma novidade. O atacante Richarlison voltou ao elenco depois de se recuperar de uma caxumba e passar alguns dias em Porto Alegre, em regime de isolamento, para não transmitir o vírus da doença para outros do grupo. O jogador do Everton voltou a treinar com o grupo nesta segunda-feira e teve a presença festejada pelos colegas.

O goleiro Alisson elogiou o retorno do colega, apelidado carinhosamente de Pombo. "Ele é um jogador extremamente importante dentro e fora de campo. Isso conta muito no grupo em uma competição longa. Se tem uma coisa boa na seleção, é a nossa convivência. Estamos aqui há mais de 30 dias e pode gerar um desgaste se não tiver um bom ambiente", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.