AP
AP

Brasil de Dunga começa a ganhar forma e atletas 'inquestionáveis'

Além de Neymar, Miranda e Jefferson passam a ter 'cadeiras cativas'

O Estado de S. Paulo

30 Março 2015 | 10h15

Após os oito jogos que precederam a convocação final para a Copa América 2015, que será disputada no Chile, a seleção brasileira de Dunga começa a ganhar forma para a disputa do torneio. Enquanto alguns atletas, em baixa, terão concorrência, outros passam a ser 'inquestionáveis' entre os 11 titulares da equipe.

Este, por exemplo, é o caso do zagueiro Miranda. Titular nos oito jogos preparatórios, o camisa 3 praticamente assegurou a vaga no miolo de zaga da seleção. Vale lembrar que o defensor foi um dos atletas mais pedidos na lista da Copa do Mundo de 2014, mas foi preterido pelo então técnico Felipão, ficando na lista dos suplentes. Cabe, agora, à dupla titular do Mundial e companheiros de Paris Saint-Germain - Thiago Silva e David Luiz - brigarem pela última vaga na equipe titular.

"Em todos os jogos que entro pela seleção brasileira, estou pronto para dar o meu melhor. Sofremos uma pressão forte do Chile na saída de bola, mas sabia que iríamos superar isso e conseguir sair com a vitória", afirmou Miranda neste domingo, após a vitória sobre a seleção chilena em Londres. O zagueiro vem se destacando pelo baixo número de faltas cometidas e pela solidez na marcação. Nos oito amistosos sob o comando de Dunga, o Brasil sofreu apenas dois gols. Gil, do Corinthians, Marquinhos, também do Paris Saint-Germain e Gabriel Paulista, do Arsenal, brigam pela quarta vaga na zaga.

Na lateral-direita, Danilo, do Porto, também corre sem concorrentes rumo à titularidade na Copa América. Apesar de Marcelo ter entrado como titular neste domingo, Filipe Luís, do Chelsea, também deve ficar com a vaga na esquerda após boas apresentações. No gol, Jefferson é nome certo após as boas apresentações. Em 2014, no Superclássico das Américas, em Pequim, contra a Argentina, o arqueiro botafoguense defendeu um pênalti cobrado por Messi e, na última quinta-feira, fez grande apresentação contra a seleção francesa. Diego Alves, em grande fase no Valencia, está praticamente consolidado como goleiro reserva.

No meio-campo, Souza, do São Paulo, vive a expectativa de ser chamado mesmo após aparições discretas com a amarelinha. Luiz Gustavo, Elias e Fernandinho estão na frente por uma vaga no time titular. Oscar e Willian, ambos do Chelsea, têm seus lugares praticamente garantidos.

Apesar da ótima fase no Liverpool, o meia Philippe Coutinho é mais um que vive a expectativa de ser convocado. Quando teve a chance como titular contra o Chile, neste domingo, não correspondeu, sendo substituído no segundo tempo. Lucas, machucado, concorre por uma vaga, assim como Douglas Costa, do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, que também não rendeu o esperado quando foi testado.

Outro jogador do Shakhtar que não aproveitou muito bem suas chances foi o atacante Luiz Adriano. Um dos artilheiros da atual edição da Liga dos Campeões, o único centro-avante de Dunga não balançou as redes em suas oportunidades na equipe e, neste domingo, quando deu lugar a Roberto Firmino no ataque, o Brasil ganhou força ofensiva. Diego Tardelli, apesar de ter se transferido para o futebol chinês, também deve ser chamado. Neymar, como camisa 10 e capitão, é um dos únicos a ter cadeira cativa na equipe.

Firmino, aliás, após ter decidido as partidas contra Áustria e Chile, é nome forte para formar dupla com o atacante do Barcelona no ataque titular da seleção na Copa América. Robinho também briga por vaga.

Cabe, agora, ao técnico Dunga, escolher os melhores nomes entre os que foram testados para definir o grupo que irá à Copa América. O treinador já deixou claro que a lista final não contará com grandes surpresas, e apenas atletas que já foram chamados poderão ser convocados. Antes do torneio, o Brasil disputará dois amistosos com o grupo que irá ao Chile: contra o México, em São Paulo, no dia 7 de junho, e contra Honduras, três dias depois, em Porto Alegre.

Mais conteúdo sobre:
futebol seleção brasileira Dunga Neymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.