Brasil deve ser cauteloso contra Paraguai

Contra o desconhecido, a cautela. O técnico Ricardo Gomes só anunciará nesta sexta-feira, mas deu todas as pistas de que Fábio Rochemback começará jogando em lugar de Daniel Carvalho na partida desta noite (23h10, horário de Brasília) contra o Paraguai, pela segunda rodada do Torneio Pré-Olímpico.A comissão técnica brasileira não tem nenhuma informação sobre o time paraguaio. Ou melhor, tem informações que provavelmente estão desatualizadas. "Faz meses que não conseguimos nada de novo sobre o Paraguai. Sabemos que é a equipe que se preparou melhor para a competição ao lado da Venezuela, mas só vamos conhecê-los mesmo quando o jogo começar. Esse desconhecimento me assusta", afirmou Ricardo Gomes.O técnico lembra que o Brasil mudou bastante da Copa Ouro para cá, até mesmo em relação aos amistosos de novembro contra Corinthians e Santos, e que se surpreendeu com a ausência dos zagueiros Lago e Bizera na lista de inscritos do Uruguai. "Nesse faixa de idade, os times mudam muito rapidamente.Por isso, pode ser que as informações que temos sobre o Paraguai não valham mais muita coisa agora. Temos uma idéia de como eles jogam, mas talvez só no intervalo eu tenha condição de arrumar o time em função do que vir nos primeiros 45 minutos."A falta de informações sobre o adversário de amanhã é um dos motivos que devem levar à entrada de Rochemback no meio-de-campo. Diante de um rival com mais tradição - e também com mais ambição - do que a historicamente frágil Venezuela, é pouco provável que o treinador repita o esquema ultraofensivo da estréia, com quatro jogadores que não sabem marcar - Diego, Robinho, Dagoberto e Daniel Carvalho.Um detalhe que Ricardo Gomes observou no jogo contra os venezuelanos indica que a "farra" acabou. "Fiquei preocupado com o desgaste do Elano. Ele ficou muito sobrecarregado e acabou se cansando, o que fez cair seu rendimento tanto na marcação como na parte técnica.Foi por isso que coloquei o Rochemback, para dividir melhor o trabalho com ele e o Paulo Almeida." Como o Paraguai não jogou na rodada de abertura e está mais "inteiro" fisicamente, o treinador não deve correr o risco de expor novamente o jogador do Santos ao risco de se desgastar além da conta, ainda mais sabendo que o Brasil voltará a campo num intervalo inferior a 48 horas para enfrentar o Uruguai domingo à tarde.Ricardo Gomes tentou criar um clima de mistério em relação à mudança que provavelmente fará e lançou no ar os nomes de Wendell e Dudu Cearense como outras "ótimas opções" que tem para encorpar o meio-de-campo e aliviar a barra de Elano. Mas quem vê o entusiasmo com que ele fala de Fábio Rochemback não tem dúvida de que o volante do Sporting será o escolhido. Ele só não foi titular na estréia porque teve de jogar pelo seu time contra o Benfica, domingo. E no início da semana o treinador declarou que Rochemback seria sua primeira opção para reforçar o meio-de-campo a partir do segundo jogo.A utilização do volante em lugar de Daniel Carvalho nos últimos 15 minutos da partida de quarta-feira foi uma demonstração da admiração que o treinador tem por ele. "Coloquei o Rochemback em campo como uma recompensa por todo o esforço que ele fez para estar aqui conosco. Vi o quanto ele ficou triste lá na Granja Comary quando soube que teria de voltar para Lisboa e seria o último a se apresentar aqui no Chile e a vontade com que chegou na terça-feira, se colocando à disposição para treinar assim que botou o pé no hotel. Ele é um jogador muito importante para nós."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.