Arquivo/AP
Arquivo/AP

Brasil é derrotado pelo Uruguai no 'Maracanazo' em 1950

Seleção brasileira faz grande campanha jogando em casa, mas sofre a virada para os uruguaios diante de 200 mil pessoas

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 03h00

Após a Copa de 1938, a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) causou um hiato na história dos mundiais de futebol – foram 12 anos sem o principal torneio de seleções do planeta. Coube ao Brasil organizar e receber o torneio em 1950. A Confederação Brasileira de Desportos (CBD) encantou a Fifa com uma proposta ousada: construir o maior estádio de futebol já visto até então, com capacidade para 200 mil torcedores. Assim, a competição desembarcava no País, que montou um esquadrão para tentar conquistar seu primeiro título.

Confira a página especial sobre a Copa do Mundo de 2018

INFOGRÁFICO - Brasil, a camisa mais pesada do futebol mundial

ESPECIAL - 15 anos do Penta, nossa última conquista

Foram dezesseis seleções classificadas para a disputa – sete da Europa (Itália, Suécia, Suíça, Espanha, Iugoslávia e Escócia), cinco da América do Sul (Brasil, Uruguai, Chile, Paraguai e Bolívia), duas da América do Norte (Estados Unidos e México) e duas da Ásia (Turquia e Índia) – Escócia, Turquia e Índia não mandaram suas seleções para o Brasil.

A competição foi disputada com quatro grupos com as treze equipes distribuídas de formas diferentes. Os primeiros colocados se classificaram para o quadrangular decisivo – Brasil, Uruguai, Espanha e Suécia. As duas seleções sul-americanas venceram as europeias e chegaram na finalíssima, disputada no Maracanã no dia 16 de julho de 1950 e que registrou o maior público de todas as copas do mundo: 199.854 torcedores.

O Brasil terminou com o artilheiro da competição, Ademir, que marcou nove gols. A seleção também registrou as duas maiores goleadas do torneio – 7 a 1 na Suécia e 6 a 1 na Espanha, ambas na fase final da disputa.

Tudo levava a crer que a seleção brasileira sairia do estádio com o título. Por ter melhor campanha, a seleção brasileira só precisava do empate para ficar com o título e saiu na frente com gol de Friaça, aos dois minutos do segundo tempo; Schiaffino empatou aos 21 e Ghiggia virou a partida para os uruguaios aos 34 – foi o segundo título mundial conquistado pelo Uruguai, em uma partida que ficou conhecida como ‘Maracanazo’, uma das maiores decepções do futebol brasileiro de todos os tempos. 

FICHA TÉCNICA DA FINAL

BRASIL 1 x 2 URUGUAI

BRASIL - Barbosa, Augusto e Juvenal; Bauer, Danilo Alvim e Bigode; Friaça, Zizinho, Ademir, Jair e Chico. Técnico: Flávio Costa.

URUGUAI - Roque Maspoli, Matias Gonzalez e Eusebio Tejera; Schubert Gambetta, Obdulio Varela e Rodríguez Andrade; Alcides Gigghia, Julio Perez, Oscar Miguez, Juan Schiaffino e Ruben Moran. Técnico: Juan López.

GOLS - Friaça, aos 2, Schiaffino, aos 21, e Gigghia, aos 34 minutos do segundo tempo.

JUIZ - George Reader (Inglaterra).

PÚBLICO - 199.854 torcedores.

DATA - 16 de julho de 1950.

LOCAL - Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.