Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Divulgação/Benfica
Divulgação/Benfica

Relatório da Fifa revela que Brasil lidera ranking de venda de jogadores pelo mundo em 2020

Atleta brasileiro ainda é o mais cobiçado por clubes de toda o planeta e esteve envolvido em 2.008 transações nos últimos 12 meses; o segundo posto é dos argentinos, com 899 negociações

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2021 | 09h00

Relatório da Fifa sobre operações de compra e venda de jogadores realizadas em 2020 confirma o Brasil como principal fornecedor de mão de obra no mercado mundial do futebol mesmo em meio à pandemia. No ano passado, foram 2.008 transações envolvendo atletas brasileiros. O número é mais do que o dobro do que o segundo país no ranking, a Argentina, com 899 negociações de seus atletas.

Segundo o relatório da Fifa, em 2020 foram registradas 17.077 transferências em todo o mundo, uma redução de 5,4% em relação a 2019 (18.047), devido à covid-19. Foi a primeira queda em dez anos, mas, ainda assim, os número de 2020 foram  superiores aos de 2018 (16.547).

As transações envolvendo jogadores brasileiros foram também as que mais movimentaram dinheiro em todo o mundo: US$ 734 milhões (R$ 4 bilhões). Em seguida, estão os atletas espanhóis com US$ 612 milhões (R$ 3,5 bilhões).

A maior transação envolvendo um jogador brasileiro em 2020 foi a venda do volante Arthur do Barcelona para a Juventus por US$ 85 milhões (R$ 464 milhões). O que chama atenção é que dois anos antes o clube catalão havia pago ao Grêmio US$ 48 milhões (R$ 262 milhões) pelo jogador. Ou seja, uma valorização de quase 90%.

“Jogador brasileiro é commodity. Fazendo uma comparação, é como vender minério de ferro para os europeus transformarem em aço. Você vende um jogador por R$ 10 milhões e dois anos depois eles revendem por R$ 80 milhões. Os europeus já aprenderam que, se você detecta um talento aqui no Brasil e o aperfeiçoa, pode lucrar muito em um curto prazo”, analisa Marcelo Robalinho, empresário de mais de 60 jogadores de 15 países. 

Jorge Machado, agente que intermediou a venda de Arthur para o Barcelona, entre outros negócios, destaca a dimensão do mercado brasileiro em comparação com os outros centros do futebol mundial. “O jogador brasileiro, além de ser bom e barato, tem em muita quantidade. Aqui tem muita opção. Vejam o caso do Marinho, do Santos. É hoje, para mim, o melhor jogador do Brasil e só foi atingir esse nível aos 30 anos. Só no Brasil tem esse tipo de situação”, diz.

O calendário brasileiro é outro fator que favorece a exportação de jogadores. Os campeonatos estaduais, disputados no primeiro semestre, têm milhares de jogadores vinculados a centenas de clubes de todo o País. Mas, no segundo semestre, as opções de trabalho se restringem basicamente a 60 times com calendário fixo nas Séries A, B e C do Campeonato Brasileiro.

“Muitos atletas não têm espaço aqui e, por isso, buscam uma carreira no exterior. Em muitos casos, esse tipo de transação é, na verdade, a sobra que o mercado interno não consegue absorver”, diz o empresário Jorge Moraes, presidente da Associação Brasileira de Agentes de Futebol.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Muitos atletas não têm espaço aqui e buscam carreira no exterior. É a sobra que o mercado interno não consegue absorver
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jorge Moraes, presidente da Associação Brasileira de Agentes de Futebol

Grande parte dessas transferências tem como destino Portugal. Com 274 transações registradas ano passado pela Fifa, o país é a principal porta de entrada dos atletas brasileiros no mercado europeu. No ano passado, a contratação de maior destaque entre os dois países foi Everton Cebolinha, que trocou o Grêmio pelo Benfica.

NATURALIZAÇÃO

Outro movimento que se tem observado é o de atletas brasileiros que estão saindo do País para defender outras seleções. “Nos últimos anos, temos um crescimento na exportação de jogadores argentinos, colombianos e até venezuelanos, mas a preferência continua sendo pelo brasileiro. Tem país, inclusive, que compra jogador brasileiro já pensando em naturalizá-lo”, diz Moraes.

De olho em uma vaga na Copa do Mundo de 2022, os Emirados Árabes Unidos, por exemplo, iniciaram um mutirão para naturalizar estrangeiros e a seleção local já conta com o meia Fábio Lima e o atacante Caio Canedo, atletas sem destaque no Brasil, mas que possuem status de estrelas no país árabe.

A China fez o mesmo em 2019. Os brasileiros Aloísio, Ricardo Goulart, Elkeson, Alan e Fernandinho aceitaram se naturalizar, adotaram nomes em mandarim e renunciaram à cidadania brasileira, já que a China não admite dupla nacionalidade.

ANÁLISE

Brasileiros são os jogadores mais desejados

Eduardo Carlezzo*

Os jogadores brasileiros continuam reinando no mercado intranacional de transferências. Desde que a Fifa passou a adotar o TMS (Transfer Matching System) como sistema de transferências, e a partir deste ato ter informações precisas sobre todas as condições e informações de uma transferência internacional, os jogadores brasileiros lideram, com folga, a ranking por nacionalidade.

Não há dúvida que isto tende a continuar pelos próximos anos, sobretudo quando vivemos momentos de forte valorização do euro e do dólar no País, o que faz com que a remuneração dos atletas em Real seja bastante alta, aumentando significativamente o interesse por uma transferência internacional.

Ainda que os gastos em atletas brasileiros no mercado de transferências de 2020 seja inferior ao que se gastou, por exemplo, em 2018, já que tivemos um ano de pandemia, ainda assim os brasileiros são os jogadores mais desejados do mercado, o que pode se verificar tanto pelo número de atletas nacionais que circularam pelo mundo afora em 2020 quanto pelo volume de recursos empregados nestas aquisições de direitos.

* Advogado especialista em Direito Desportivo e transferências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.