Brasil empata com a Itália e mantém incômodo jejum contra os grandes

Com o 2 a 2 em Genebra, seleção continua ser derrotar equipes campeãs mundiais

Agência Estado,

21 de março de 2013 | 18h33

GENEBRA - Diante de um tradicional rival, contra quem costuma levar vantagem no histórico recente, o

Apesar do frio em Genebra, o jogo teve um ritmo alucinante no começo. Nos cinco primeiros minutos, Julio Cesar fez duas grandes defesas em chutes de Giaccherini e Balotelli, enquanto que Buffon pegou a boa finalização de Neymar. Aos poucos, porém, a Itália passou a ter um certo controle, criando as melhores chances. Mas foi o Brasil que teve melhor aproveitamento e conseguiu sair na frente do placar.

Em cruzamento de Filipe Luís aos 32 minutos, Barzagli tentou cortar e a bola sobrou para Fred, que, sozinho, chutou de primeira, sem chance para Buffon. Com a desvantagem no placar, a Itália quis pressionar e abriu espaço para o contra-ataque. Foi assim que o Brasil chegou ao segundo gol, já aos 41, quando Neymar arrancou em velocidade e deixou Oscar livre para, com categoria, fazer 2 a 0.

A reação italiana veio no segundo tempo. E foi instantânea. O primeiro gol saiu aos oito minutos, quando a defesa brasileira não conseguiu cortar a bola após a cobrança de escanteio e De Rossi se antecipou à marcação de Dante para dar um toque certeiro para as redes. O empate saiu logo depois, em um golaço de Balotelli, que acertou um chute colocado de fora da área, aos 11, e encobriu Julio Cesar.

Depois do empate, Felipão colocou Kaká e o estreante Diego Costa nos lugares de Oscar e Fred, respectivamente, mas a Itália manteve o domínio do jogo. Enquanto os brasileiros apostavam no contra-ataque, sem ter muito sucesso, as melhores chances foram italianas. Foi assim aos 17 minutos, quando Julio Cesar evitou mais um gol de Balotelli, e aos 22, na cabeçada de Bonucci que saiu raspando a trave.

O Brasil ainda teve outras mudanças - com as entradas de Marcelo, Jean e Luiz Gustavo nos lugares de Filipe Luís, Hulk e Hernanes - e equilibrou o jogo. Mas não deu para recuperar a vantagem conseguida no primeiro tempo. Assim, o empate desta quinta com a Itália mantém o jejum brasileiro diante das grandes forças do futebol mundial e mostra que Felipão terá muito trabalho pela frente.

Agora, o Brasil volta a jogar na próxima segunda, quando enfrenta a Rússia no estádio Stamford Bridge, em Londres. Depois, tem mais dois amistosos em abril, contra a Bolívia no dia 6, em Santa Cruz de la Sierra, e o Chile, no dia 24, em Belo Horizonte - nestes dois jogos, deverá chamar apenas jogadores que atuam no futebol brasileiro. Aí, já em junho, antes da Copa das Confederações, a seleção encara a Inglaterra, no dia 2, no Rio de Janeiro, e a França, no dia 9, em Porto Alegre.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 x 2 ITÁLIA

BRASIL - Julio Cesar; Daniel Alves, David Luiz, Dante e Filipe Luís (Marcelo); Fernando, Hernanes (Luiz Gustavo) e Oscar (Kaká); Hulk (Jean), Fred (Diego Costa) e Neymar. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

ITÁLIA - Buffon; Maggio, Barzagli, Bonucci e De Sciglio (Antonelli); Pirlo (Cerci), De Rossi (Diamanti), Giaccherini (Poli) e Montolivo; Osvaldo (El Shaarawy) e Balotelli (Gilardino). Técnico: Cesare Prandelli.

GOLS - Fred, aos 32, e Oscar, aos 41 minutos do primeiro tempo; De Rossi, aos oito, e Balotelli, aos 11 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Stephan Studer (Suíça).

CARTÃO AMARELO - Fred, Hernanes, Filipe Luis, Poli e Maggio.

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Stade de Genève, em Genebra (Suíça).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.