Brasil empata de novo em casa e torcida pede cabeça de Dunga

Seleção fica no 0 a 0 com a Colômbia e gritos de 'adeus' para o treinador voltam a vibrar na boca do torcedor

André Rigue, estadao.com.br

16 de outubro de 2008 | 00h02

Está se tornando rotina! Nesta quarta-feira, a seleção brasileira voltou a empatar em casa pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa de 2010. O time de Dunga ficou no 0 a 0 diante da Colômbia, no Maracanã. Ao final do duelo, os torcedores não perdoaram mais uma atuação ruim e novamente pediram a cabeça do treinador com o canto "Adeus, Dunga!".  Veja também: Dunga: 'Sabia 4 dias antes que seria vaiado'  Bate-Pronto: 'Adeus, Dunga!', vezes 3 Torcedores colorem o Maracanã com fantasias  Eliminatórias Sul-Americanas - Classificação Eliminatórias Sul-Americanas - Calendário/Resultados Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Este foi o terceiro empate seguido do Brasil sem gols em casa. Antes, o time havia enfrentado a Argentina (no Mineirão, em Belo Horizonte) e a Bolívia (no Engenhão, no Rio de Janeiro). Mesmo com outro tropeço, a equipe verde-e-amarela se manteve em segundo lugar na classificação, com 17 pontos - favorecida pela derrota da Argentina para o Chile. Ao longo da semana, os jogadores prometeram dar espetáculo no Rio para apagar os vexames contra Argentina e Bolívia. A confiança do grupo estava alta, já que o time tinha goleado a Venezuela no último domingo por 4 a 0. O entusiasmo, no entanto, não se refletiu em campo, e o Brasil voltou a demonstrar falhas no ataque e na defesa. Dunga não teve Adriano, suspenso. Luis Fabiano, machucado, não estava nesta convocação. Com isso, a vaga "sobrou" para Jô, que mostrou que ainda não está preparado para assumir a posição de titular. O atacante praticamente não conseguiu criar nenhuma jogada com Robinho no primeiro tempo e dependeu da habilidade de Elano para ficar na cara do gol. Elano, aliás, foi o único jogador que mostrou algo no primeiro tempo. Com uma boa jogada do meia, o Brasil quase abriu o placar aos 27 minutos. Elano cruzou na medida para Juan, que cabeceou nas mãos do goleiro Julio depois de subir livre de marcação. Foi a melhor chance verde-e-amarela em toda a etapa inicial. Aos 32 minutos, outro bom ataque do Brasil. Elano lançou Robinho. O atacante entrou na área e chutou fraco, dando a chance de Julio defender. Após a oportunidade, Robinho levantou os braços para pedir apoio da torcida. Mas quem assustou foi a Colômbia. Aos 37, Quintero só não saiu na cara de Júlio César porque Lúcio conseguiu ganhar na corrida e mandar para escanteio. Os erros do Brasil desencadearam coros ao longo das arquibancadas. Aos 41 minutos do primeiro tempo, Dunga passou a ouvir os torcedores pedirem a sua cabeça. O grito de "Adeus, Dunga!", já tradicional nos jogos em casa, mais uma vez ecoou na boca da torcida. O técnico foi para o vestiário de cabeça inchada. SOBROU ATÉ PARA ROBINHOO Brasil deu a impressão de que melhoraria no segundo tempo. Aos 3 minutos, Jô foi lançado e só não marcou porque o goleiro Julio fechou o ângulo. A partir desse lance, Dunga promoveu uma série de alterações, na tentativa de aumentar o poder ofensivo  Brasil0Júlio César; Maicon, Lúcio, Juan (Thiago Silva) e Kléber; Gilberto Silva, Josué, Kaká e Elano (Mancini); Jô e Robinho (Pato)Técnico: Dunga Colômbia0Julio; Zúñiga, Perea, Yepes e Armero; Guarín, Bedoya     (Aguillar), Vargas    , Toja e Quintero (Moreno); Rentería     (Ramos)Técnico: Eduardo LaraÁrbitro: Rubén Selman (Chile)Renda: R$ 1.697.170,00Público: 46.210 torcedores (54.910 presentes)Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)e conseguir botar a bola para dentro do gol. Elano, apesar da boa atuação, saiu para a entrada de Mancini. O zagueiro Juan deu vaga para Thiago Silva. Porém a alteração mais sentida no Maracanã foi a de Robinho. O atacante foi substituído por Alexandre Pato e deixou o gramado na maca. Os torcedores não perdoaram o jogador e também o xingaram na saída do campo. Pato entrou como grande esperança. Em sua primeira jogada, ele quase fez. Aos 14 minutos, Kaká cruzou na área e o atacante do Milan desviou de primeira. A bola passou à esquerda do goleiro Julio. Foi o último suspiro de esperança no Maracanã. Depois disso, o jogo se transformou numa pelada e terminou justamente empatado sem gols. O Brasil, que pelo menos não levou gol pelo quinto jogo seguido, agora só volta a jogar pelas Eliminatórias no próximo ano. O adversário será o Equador, em Quito, no dia 28 ou 29 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.