Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Brasil encara o Uruguai no primeiro teste difícil das Eliminatórias da Copa

Depois de bater os três últimos colocados da tabela, equipe de Tite desafia o sul-americano de melhor campanha no último Mundial

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 05h00

A seleção brasileira terá finalmente nesta terça-feira, às 20h, em Montevidéu, um teste difícil pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar, em 2022. A equipe do técnico Tite venceu nas três rodadas anteriores os três últimos colocados da classificação e agora terá de jogar contra o Uruguai fora de casa com vários desfalques causados por lesão e duas baixas geradas pelo novo coronavírus (Casemiro e Gabriel Menino).

Mesmo líder da competição e único time com 100% de aproveitamento, o Brasil ainda não conseguiu empolgar o torcedor. A dificuldade em vencer a Venezuela no Morumbi e a fragilidade do rival da estreia, a Bolívia, ajudam a explicar esse cenário. A equipe ainda bateu o Peru em Lima por 4 a 2 em uma partida equilibrada e com decisões da arbitragem bastante criticadas pelos peruanos.

"Talvez algumas dessas equipes que vencemos não brigam para classificar, mas podem atrapalhar outros times. Vamos enfrentar o Uruguai, é uma equipe que vem forte", disse o técnico Tite. O Uruguai foi o país sul-americano de melhor campanha na última Copa, com a 5ª posição, uma acima do Brasil.

Na última rodada os uruguaios fizeram 3 a 0 na Colômbia, em Barranquilla. Enquanto o Brasil não tem as duas principais estrelas, Neymar e Philippe Coutinho, a principal dupla do Uruguai também não estará completa em campo. Suárez testou positivo para covid-19 e está fora. Cavani vai para o jogo.

Entre a convocação de Tite e o jogo contra o Uruguai o elenco brasileiro teve oito cortes. Foram seis atletas lesionados e mais dois casos de covid-19. Por isso, a equipe terá de se desdobrar para mesmo sem ter a formação ideal, ser competitivo diante de adversário forte.

A seleção brasileira tem só uma dúvida para a partida. O volante Allan sentiu dores musculares e é dúvida. Um exame horas antes do jogo vai definir a escalação. Arthur será o substituto se for necessário. No restante, a formação será a mesma utilizada na vitória por 1 a 0 sobre a Venezuela.

A atuação pouco inspirada não fez Tite pensar em mudanças no time. Pelo contrário. "Enfrentar a Venezuela é uma proposta dentro de casa, agora diante do Uruguai será diferente. Vamos ser mais analisados defensivamente. Por outro lado, vamos ter mais espaço", comparou o treinador.

Auxiliar de Tite há quase 20 anos, Cléber Xavier foi quem mais analisou os últimos jogos do Uruguai. A principal preocupação nos treinos da seleção foi armar a defesa para se precaver contra a intensa movimentação do setor ofensivo uruguaio.

As dificuldades de se enfrentar um rival tradicional em Montevidéu não impediram o Brasil de conseguir duas goleadas nos últimos confrontos fora de casa pelas Eliminatórias. Em 2009, a equipe de Dunga fez 4 a 0. Já em 2017, sob o comando de Tite, a seleção ganhou por 4 a 1 de virada com três gols de Paulinho.

FICHA TÉCNICA

URUGUAI: Campaña; Cáceres, Giménez, Godín e Oliveros; Nández, Torreira, Betancur e De La Cruz; Núñez e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez. 

BRASIL: Ederson; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Renan Lodi; Allan (Arthur), Douglas Luiz e Éverton Ribeiro; Gabriel Jesus, Firmino e Richarlison. Técnico: Tite.

Árbitro: Roberto Tobar (Chile)

Horário: 20h

Na TV: EI Plus e BandSports (pay-per-view) 

Local: Centenário, em Montevidéu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.