Eduardo Nicolau/Estadão
Eduardo Nicolau/Estadão

Brasil encontra luxo e privacidade no seu resort em Sochi

Hotel cinco estrelas que vai hospedar equipe em Sochi tem diárias a partir de R$ 1,3 mil

Marcio Dolzan, enviado especial a Sochi, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2018 | 07h00

O Swissôtel Kamelia, local da concentração da seleção brasileira em Sochi, no sudoeste da Rússia, foi escolhido por oferecer luxo, tranquilidade e sossego aos 65 integrantes que compõem a delegação, formada por jogadores, comissão técnica, estafe e assessores. O chefe do grupo é Rogério Caboclo, eleito presidente da CBF para o quadriênio que se inicia em abril do próximo ano.

+ Seleção brasileira desembarca na Rússia para colocar evolução à prova

+ 'Elefante branco' em Sochi é desafio para autoridades russas após a Copa

O resort tem uma praia particular, acesso restrito e fica a poucos passos dos dois campos de treinos. A CBF vai utilizar cinco dos sete andares do hotel, sendo três deles apenas para os quartos, que são individuais. A diária mais barata nesse cinco estrelas é R$ 1,3 mil. Todos os quartos onde ficarão jogadores e comissão têm o mesmo tamanho e vista para o Mar Negro.

Não quer dizer, contudo, que apenas os quartos “mais simples” serão utilizados. No sétimo andar, por exemplo, a suíte presidencial foi transformada em departamento médico, com espaço para avaliação de jogadores, fisioterapia e tratamento.

“A Copa é um torneio curto e de forma intensa. A gente precisa criar algumas situações e adaptações para que nossos atletas tenham uma recuperação mais rápida”, explica um dos fisioterapeutas da seleção, Bruno Mazziotti, que chegou a Sochi na sexta-feira. “O monitoramento é sempre específico. A cada treino, a cada jogo, os atletas são avaliados e reavaliados.”

Todos os atletas utilizarão o “departamento de saúde”, como chama a CBF, após os treinos e jogos. A julgar pelo que encontrarão no local, eles não deverão reclamar. Isso porque a suíte conta com 170 metros quadrados de área, que incluem um terraço com uma belíssima vista para o mar.

 

Outras partes do hotel também foram adaptadas sob medida para a seleção. Um “espaço família” foi criado no segundo andar, próximo ao restaurante privativo. O lugar foi criado para que os membros da delegação recebam seus familiares – a maioria ficará hospedada em um hotel próximo. A área conta com três salas e um grande corredor mobiliados com cadeiras, mesas e sofás. Uma brinquedoteca foi instalada para os jogadores passarem o tempo junto com seus filhos.

No quarto andar, uma academia com quatro esteiras, cinco bicicletas ergométricas e aparelhos de musculação foi montada. Ao lado, uma sala foi preparada para Tite fazer a preleção e reunião com os jogadores.

Centro de Treinamento

O estádio Slava Metreveli foi todo reformado para receber a seleção. Ele fica a poucos passos do hotel, sendo que os jogadores poderão ir a pé de um lado a outro. Para isso, eles terão de caminhar pela área comum do hotel, que mais parece um parque arborizado, florido e com piscina. Outra opção é utilizar uma van.

O Metreveli, contudo, não deverá ser o principal campo de treino. Ele deverá ser utilizado apenas nas atividades abertas ao público, algumas das quais obrigatórias por determinação da Fifa. Ao lado do gramado principal, a CBF preparou o campo suplementar para treinos reservados. O local é totalmente fechado por tapumes.

Os dois campos fazem parte de um complexo esportivo gerido pelo Comitê Olímpico da Rússia. O Metreveli conta com uma pista de atletismo em ótimo estado. Ao lado do gramado suplementar existe um alojamento para atletas olímpicos russos. Das janelas e sacadas, eles poderão acompanhar os treinos da seleção, mesmo os fechados. Segundo a CBF, foi feito um acordo para que, em dias de treino, nenhum dos moradores do local receba visitas ou faça filmagens.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.