Mike Hewitt/Fifa/Getty Images
Mike Hewitt/Fifa/Getty Images

Brasil enfrenta a Inglaterra por vaga na final do Mundial Sub-17

Com cinco vitórias em cinco jogos, seleção tem confronto complicado contra ingleses, donos de um ataque bastante forte

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2017 | 06h00

Invicta e com 100% de aproveitamento após cinco partidas, a seleção brasileira sub-17 tenta nesta quarta-feira chegar à decisão do

Mundial da Índia, mas terá pela frente um adversário complicado, a  Inglaterra. O jogo começa às 9h30 (horário de Brasília) em Calcutá e, além dos ingleses, o calor também preocupa a seleção treinada por Carlos Amadeu. O outro finalista sairá do duelo entre Espanha e a surpreendente seleção de Mali, que jogam às 12h30.

+ Fifa muda loical da semifinal do Brasil e leva jogo para Calcutá

Amadeu prevê uma partida equilibrada, pois considera que a Inglaterra - quatro vitórias no tempo normal e uma dos pênaltis nas oitavas de final após empatar sem gols com o Japão - tem um excelente time.  "Acho que não tem vantagem. É um clássico, uma rivalidade histórica, sempre houve um equilíbrio, seja na equipe principal seja na base'', disse em entrevista coletiva nesta terça-feira. "É o que a gente espera nesse jogo. Qualquer resultado de goleada para um lado ou para o outro sairia da normalidade.''

O treinador fará uma alteração na equipe titular em relação ao time que começou o jogo com a Alemanha na fase anterior - o Brasil venceu de virada por 2 a 1. Weverson, lateral-esquerdo do São Paulo que era dono da posição e foi barrado, retoma o posto depois de jogar o segundo tempo contra os alemães e sair-se bem, marcando inclusive o gol de empate naquela partida.

"Ele entendeu os motivos que o fez sair da equipe, reagiu de forma positiva e quando teve oportunidade fez um jogo muito bom. Acho que cresceu, amadureceu, e que vai fazer um grande jogo'', acredita Amadeu. 

O Brasil já ganhou três vezes o Mundial (1997/1999/2003), mas desde 2011, quando ficou em quarto, não chegava nem às semifinais. A Inglaterra jamais chegou entre os quatro primeiros. Mesmo assim,  Amadeu entende que será preciso muito cuidado com os europeus. "A Inglaterra está fazendo um trabalho muito bem feito na base. O nível técnico é muito interessante e os dois têm condições de vencer.''

Carlos Amadeu considera que o Brasil tem uma equipe equilibrada, que se defende bem e ataca com eficiência (fez 11 gols até agora e só sofreu dois), mas vai pegar um adversário igualmente competitivo (os ingleses têm 15 gols a favor e dois contra) e terá de muita

concentração para evitar ser surpreendido. "A gente vai procurar fazer o que estamos fazendo. Jogar com dedicação, com alma, amor, tentando fazer o melhor jogo possível'', prometeu. "São duas boas equipes, que têm bom conjunto e individualmente jogadores com potencial muito alto.''

Originalmente, Brasil e Inglaterra deveriam jogar no Indira Gandhi Stadium, de Guwahati. As seleções já estavam até na cidade. Mas por causa da má condição do gramado, afetado pelas chuva, a Fifa alterou  o local para o Vivekananda Yuba Bharati Krirangan. E teve se fretar um avião para levar as duas delegações para Calcutá.

Carlos Amadeu escalou a seleção com: Gabriel Brazão, Wesley, Vitão, Lucas Halter e Weverson; Victor Bobsin, Marcos Antônio e Alan; Paulinho, Lincoln e Brenner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.