Brasil enfrenta Chile pela classificação

O Brasil define nesta quinta-feira o caminho que seguirá no Pré-Olímpico e só uma vitória contra a empolgada seleção chilena, às 23h10, garantirá vaga no quadrangular final - que será disputado nos dias 21, 23 e 25 em Valparaíso e Viña del Mar. Se empatar ou perder o time ficará em segundo lugar e terá de jogar a repescagem contra o terceiro colocado da outra chave no domingo.Os 30 mil ingressos colocados à venda estão esgotados e pela única vez na competição - a rodada desta quinta-feira será a última em Concepción - o Estádio Municipal receberá público total. Os chilenos estão entusiasmados com o aproveitamento de 100% da equipe dirigida por Juvenal Olmos e prometem gritar muito esta noite, mas Ricardo Gomes tem certeza de que seus jogadores não vão sentir a pressão. "Nosso time é formado por jogadores maduros. Estamos preparados para tudo e tenho muita confiança na vitória."O treinador brasileiro está procurando passar para os jogadores a tranqüilidade que demonstra no dia-a-dia. Estádio lotado, arbitragem caseira, necessidade de vencer para escapar da repescagem, nada disso parece tirar o seu sono. "Temos um time de qualidade, tivemos tempo para descansar e dependemos apenas de nosso resultado para conquistar o primeiro lugar. Jogar pela vitória não é nenhuma novidade para nós. O Brasil joga sempre para ganhar e jogaria assim mesmo que tivesse a vantagem do empate. Está tudo normal."Nem a possibilidade de precisar fazer um jogo de vida ou morte no domingo para tentar manter vivo o sonho de ir à Olimpíada o incomoda. "Queremos o primeiro lugar, mas se for preciso jogar a repescagem não tem problema. Nosso objetivo é a classificação para os Jogos Olímpicos e acredito que vamos conseguir, independentemente de termos de jogar a repescagem ou não." Ricardo Gomes esteve no estádio terça-feira à noite e viu o Chile penar para ganhar de virada do Paraguai por 3 a 2, apesar de o adversário ter tido um jogador expulso aos 25 minutos do primeiro tempo, quando o jogo estava 0 a 0. Ele não quis falar sobre os pontos fracos que observou no líder da chave, mas abriu o jogo sobre as qualidades. "É um time que tem atacantes rápidos e que se movimentam muito. Joga bastante pelo lado direito e vai muito no entusiasmo da torcida. É uma equipe muito boa."Uma vantagem que o Brasil poderá ter é o fato de estar mais "inteiro" que o time da casa. Os chilenos precisaram correr bem mais do que imaginavam para derrotar o Paraguai e ainda sofreram com o jogo violento do adversário. Enquanto isso, a seleção folgou na rodada de terça-feira e teve quatro dias para recuperar a energia depois da partida contra o Uruguai. "O Chile realmente se desgastou muito, mas como tinha folgado domingo não está tão cansado como nós estávamos contra o Uruguai, porque aquele era o nosso terceiro jogo em quatro dias. Sem dúvida nós estamos em melhores condições para esta partida e vamos tentar tirar proveito disso mantendo a posse de bola o maior tempo possível."Cinco titulares brasileiros entrarão pendurados em campo: Edu Dracena, Maxwell, Fábio Rochemback, Diego e Dagoberto. O reserva Paulinho também tem um cartão amarelo.

Agencia Estado,

15 de janeiro de 2004 | 09h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.