Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Brasil enfrenta velho freguês por vaga nas quartas

Seleção de Dunga espera confirmar ótimo retrospecto contra o Chile, às 15h30, no Ellis Park

ANDRÉ CARDOSO, Enviado Especial - Agência Estado

28 de junho de 2010 | 06h03

Depois de uma passagem relativamente tranquila pela primeira fase, o Brasil entra nesta segunda-feira na etapa decisiva da Copa do Mundo da África do Sul. A partir de agora, todos os jogos até a decisão do título são eliminatórios. E o adversário nas oitavas de final é um velho freguês: o Chile. Por isso, a seleção brasileira entra como grande favorita no confronto que começa às 15h30 (horário de Brasília), no estádio Ellis Park, em Johannesburgo.

Veja também:

linkBrasil aposta em criatividade de Kaká e Robinho para bater o Chile

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador

Desde que o técnico Dunga assumiu o comando da seleção, no segundo semestre de 2006, o Chile foi o adversário com quem o Brasil mais jogou. Ao todo, aconteceram cinco jogos nesse período, com cinco vitórias brasileiras - e a mais apertada delas foi por 4 a 2. Os chilenos ganharam pela última vez em agosto de 2000, o que dá um total de nove partidas de invencibilidade brasileira no confronto, sendo oito vitórias e um único empate.

Assim, com tamanha vantagem no histórico recente do confronto, o Brasil espera confirmar o favoritismo nesta segunda e passar pelo Chile para avançar na Copa. Os jogadores brasileiros, no entanto, pregam o respeito ao adversário e prometem concentração dobrada para evitar surpresas. "O nosso retrospecto é excelente, mas mata-mata é diferente. Temos que esquecer tudo o que fizemos contra eles no passado", disse o volante Gilberto Silva.

"O Chile vem crescendo com o Bielsa (técnico argentino Marcelo Bielsa). É uma equipe rápida, muito competitiva. O que aconteceu atrás não importa", avisou Dunga. Robinho foi além no discurso. "Para a gente, o favoritismo é só fora de campo. No futebol, tudo pode acontecer", afirmou o atacante, que está de volta ao time titular depois de ter sido poupado no jogo contra Portugal, na última sexta, quando sentiu algumas dores musculares.

Assim como Robinho, Kaká é outro que volta ao time nesta segunda, após ter cumprido suspensão na última rodada da primeira fase da Copa. Mas, apesar do retorno de dois importantes jogadores, o Brasil pode ter outros dois desfalques diante do Chile. O meia Elano e o volante Felipe Melo já estão liberados pelos médicos, após sofrerem contusão, mas ainda são dúvida para Dunga, que vai esperar até o último momento para definir quem joga.

Elano sofreu uma forte pancada na perna direita durante o jogo contra a Costa do Marfim, realizado no dia 20 de junho, e já não enfrentou Portugal por causa da lesão. E Felipe Melo teve uma torção no tornozelo esquerdo na partida de sexta passada, diante dos portugueses. Caso eles não tenham condições de jogar com o Chile, Dunga deve optar pela entrada, respectivamente, do polivalente lateral-direito Daniel Alves e do volante Josué.

Mas, independente dos possíveis problemas na escalação e das eventuais dificuldades de um jogo eliminatório de Copa do Mundo, a seleção brasileira entra em campo nesta segunda cheia de confiança. "Agora não tem recuperação, é jogar no limite. Daqui para frente, todos os jogos são finais", lembrou Dunga. E, para ajudar na tarefa de buscar uma vaga nas quartas de final, nada melhor do que enfrentar um velho freguês como o Chile.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL - Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto Silva, Felipe Melo Josué), Elano (Daniel Alves) e Kaká; Robinho e Luís Fabiano. Técnico - Dunga.

CHILE - Bravo; Isla, Contreras, Jara e Vidal; Millar, Carmona, Matias Fernández e Valdivia; Sánchez e Beausejour. Técnico: Marcelo Bielsa.

Árbitro - Howard Webb (Inglaterra).

Horário - 15h30 (de Brasília).

Local - Estádio Ellis Park, em Johannesburgo (África do Sul).

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.