Brasil ganha apoio inusitado no Japão

É atípica a atenção despertada pela seleção brasileira na fase de preparação para a Copa das Confederações. Durante toda a semana de treinos, apenas uma fiel torcedora, japonesa, tem acompanhado o time de Emerson Leão. Trata-se de Yuki Nishio, uma secretária de 28 anos, que tirou férias para ficar a maior parte de tempo possível próxima aos jogadores. Mas ela não tem dado muita sorte. A segurança da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) impede o contato com os atletas.Nishio estudou a língua portuguesa na Universidade de Tóquio e já esteve no Brasil três vezes. É torcedora do Vasco e leva sempre em sua bolsa uma camisa do clube carioca, um presente do zagueiro Odvan em sua única visita ao estádio de São Januário. A rivalidade com o Flamengo faz parte do universo da pequenina japonesa. Ela altera as feições e chega a corar o rosto quando lhe perguntam sobre o Rubro-Negro. "Eu odeio o Flamengo, odeio", diz a secretária, com palavras trôpegas, num ritmo desconexo e risível. O amor pelo Vasco é tão grande e surpreendente que Nishio se orgulha de dizer que só sabe uma canção em português: o hino do clube carioca. Envergonha-se na primeira tentativa, mas depois acerta a entonação.Ela cita vários jogadores que passaram por São Januário como os mais importantes do futebol brasileiro: Felipe, os dois Juninhos, Odvan e Zé Maria, convocado por Leão para a Copa das Confederações. Estranhamente, afirma desconhecer Romário. "Nunca ouvi falar nele." A japonesa vai torcer para o Brasil na competição, mesmo se o Japão tiver de enfrentá-lo. Enquanto espera o amistoso das 5h (horário de Brasília) de sábado, com o Tokyo Verdy, Nishio promete continuar o cerco à delegação brasileira: viaja de trem ou de ônibus e depois caminha, sob chuva, para os locais de treino, com a máquina fotográfica, caneta e bloquinho de papel. Sua esperança é conseguir despistar o coronel Castelo Branco, o chefe da segurança, implacável na antipática missão de evitar o assédio da única pessoa interessada, até agora, em incentivar a seleção brasileira no Japão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.