Brasil goleia Hong Kong: 7 a 1

O jogo servia apenas para que o patrocinador pudesse ganhar algum dinheiro e o adversário era o de pior ranking da história da CBF, mas mesmo assim, os jogadores da Seleção Brasileira fizeram a sua parte. Contratados para dar espetáculo, retribuiram à altura e golearam Hong Kong por 7 a 1 na manhã desta quarta-feira de cinzas, sem fazer grandes esforços. Como o sistema de marcação do adversário era praticamente inexistente, Ronaldinho Gaúcho e Robinho, em especial, aproveitaram para esbanjar virtuosismo. Os dois construíram inúmeras jogadas de efeito, toques refinados e, em algumas casos, até em detrimento da eficiência. Mas o público e os organizadores do amistoso gostaram. Tanto, que elegeram Ronaldinho o melhor em campo. O técnico Carlos Alberto Parreira também saiu satisfeito. ?O time criou muitas oportunidades, mostrou eficiência na marcação e teve boas saídas em velocidade. Independente do adversário, a Seleção foi muito bem?, disse o treinador ao final do primeiro tempo.Além da cota de U$ 1 milhão paga pela Federação de Futebol de Hong Kong à patrocinadora da seleção, o primeiro jogo do ano serviu também para que Parreira observasse o comportamento de Robinho. Beneficiado pelas ausências de Ronaldo e Adriano, o jogador do Santos não se importou com a fragilidade do adversário e jogou para ganhar seu lugar no time. Pela primeira vez iniciando uma partida como titular, ele correu, deu passes de calcanhar, abusou dos dribles e marcou dois gols - um deles, no primeiro tempo, anulado por impedimento. Assim, deixou o campo como um dos principais destaques. Apesar de oito gols, o jogo chegou a ser monótono. Hong Kong colocou praticamente todos os seus jogadores no campo de defesa e assistiu o Brasil tocar a bola de um lado a outro. Mas nos momentos em que era exigida, a defesa asiática mostrava toda sua fragilidade. Era só forçar um pouco mais que o Brasil marcava. A equipe brasileira jogava como queria e os gols não demoraram a aparecer. No final do primeiro tempo, depois de quase uma dezena de chances desperdiçadas, vencia por 3 a 0. O zagueiro Lúcio abriu a contagem aos 20 minutos do primeiro tempo com um gol de cabeça após cruzamento de Robinho. Dez minutos depois, Roberto Carlos ampliou para 2 a 0 num chute de longa distância. Ricardo Oliveira fez 3 a 0 aos 46, num chute por cobertura.O passeio continuou no segundo tempo. Logo aos 4 minutos, Ronaldinho Gaúcho tabela com Robinho e toca por cobertura na saída do goleiro para fazer 4 a 0. Ricardo Oliveira fez o quinto ( o segundo seu) aos 12, desviando um cruzamento de Juninho Pernanbucano. A partir daí, Parreira começou a mexer na equipe. Num prazo de 10 minutos, fez nada menos que seis alterações. Roberto Carlos deu lugar a Gilberto; Alex entrou no lugar de Ronaldinho, Belletti substituiu Cafu, Elano tomou a vaga de Juninho, Ricardo Oliveira saiu para a entrada de Júlio Baptista e Renato entrou no lugar de Zé Roberto. O time perdeu um pouco de conjunto, mas ainda assim faria mais dois gols. Robinho fez o seu aos 32, de cabeça e Alex marcou o sétimo numa cobrança de pênalti, dois minutos depois. Já próximo do final, na segunda finalização em todo o jogo, Hong Kong fez o seu gol de honra, com Lee Zse Ming. Com esse golzinho no final, todo mundo saiu do Hong Kong Stadium satisfeito. A Seleção Brasileira volta a campo no dia 27 de março para a partida contra o Peru, em Goiânia, pelas eliminatórias da Copa do Mundo.

Agencia Estado,

09 de fevereiro de 2005 | 09h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.