Brasil goleia o Panamá: 5 a 0

O Brasil venceu o Panamá por 5 a 0, nesta quinta-feira, com uma atuação medíocre nos 60 minutos iniciais e empolgante no final da partida. O time de Felipão começou nervoso, confuso e errando muito, a ponto de ser vaiado seguidamente pelo público. Depois, melhorou, fez os gols e recebeu aplausos da torcida que compareceu ao estádio Joaquim Américo, em Curitiba.O lateral Roberto Carlos, o melhor em campo, marcou o gol mais bonito da partida, num chute forte, com raiva, e fez um desabafo. "Se a seleção jogar sempre assim, com aplicação e coração, vai conquistar de novo o carinho do torcedor brasileiro."O Panamá não ofereceu nenhum perigo. A equipe da América Central arrastava-se em campo - a maioria de seus jogadores passou a noite da véspera numa boate de Curitiba. O time desafiava a "máxima" de que não existe mais seleção "boba" no futebol mundial. Mal conseguia acertar dois passes e a única jogada era na base do chutão para cima.Pior é que o Brasil parecia do mesmo nível técnico do adversário. Pelo menos no primeiro tempo.Alessandro, entusiasmado por estar atuando diante da torcida do seu time, o Atlético-PR, quis arriscar dribles e chutes de fora da área. Acertou alguns, mas errou a maioria deles.Só mesmo Roberto Carlos destoava da equipe na etapa inicial. Ele deixou o seu marcador tonto e criou várias oportunidades de gol, desperdiçadas pelo ataque apático do Brasil.Conforme passava o tempo, o público se impacientava. Como o jogo era chato, surgiram as vaias e o pedido de "raça". Ainda assim, o time de Luiz Felipe Scolari conseguiu lançar a bola na trave duas vezes na primeira metade da partida. Na saída para o intervalo, o protesto da torcida foi intenso.Alessandro foi substituído por Vampeta e a mudança surtiu efeito na etapa final, apesar da paixão dos atleticanos pelo lateral do clube. Mas, enquanto o gol não saía, os torcedores pediam "olé" aos panamenhos. Foi preciso um pênalti de Guardia em Tinga, para que Edílson abrisse o placar, aos 15 minutos. Curioso é que ninguém da comissão técnica se levantou para abraçar Edílson, que veio comemorar o gol entre os suplentes.A partir daí, o Panamá se apavorou e Alex, que entrara na vaga de Leonardo, fez o segundo gol, aproveitando grande jogada de Roberto Carlos, aos 17 minutos. Depois, Denílson e Euller, que também só participaram da partida no segundo tempo, deram novo ritmo ao jogo.Num lance criado por Denílson, Euller aproveitou a sobra e marcou o terceiro, aos 35. No minuto seguinte, o locutor do estádio anunciaria uma substituição "na equipe do Brasil". Sairia Paschal para dar a vez a Vergara. Tratava-se de um engano ou será que o sujeito não conseguia distinguir o futebol brasileiro do panamenho? A torcida vaiou e o locutor retificou-se. Aos 41 minutos, Torres pôs a mão na bola e o juiz deu novo pênalti, convertido por Juninho Paulista. Para completar a goleada, aos 46, Denílson fez boa jogada pela esquerda e cruzou rasteiro para Roberto Carlos chutar de primeira e marcar um golaço: 5 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.