Marcelo Sayão / EFE
Marcelo Sayão / EFE

Brasil ignora rivalidade e promete buscar vitória que poderá ajudar a Argentina

Despedida antes da Copa e revanche contra os chilenos são razões para que jogadores brasileiros não queiram entregar partida

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2017 | 10h26

As equilibradas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, chegam à última rodada, na próxima terça-feira, com seis seleções na busca por três vagas diretas e uma participação na repescagem. Neste contexto de indefinição, o fiel da balança pode ser o já classificado Brasil, que recebe o Chile no Allianz Parque e pode, além de tirar o adversário do Mundial, ajudar a rival Argentina.

+ Calvário da Argentina merece críticas até de rival

+ A cinco jogos da Copa do Mundo, Tite nega lista fechada na seleção

A única seleção do continente já classificada para a Copa pretende ficar alheia à polêmica. O Brasil tem se cobrado para, mesmo já classificado para a Copa, manter o nível de desempenho e continuar com vitórias convincentes, independentemente das condições dos adversários. "A motivação nossa é maior ainda por ser o último jogo em casa. É uma forma de agradecer à torcida por tudo o que fizeram. Nós não gostamos de perder, ainda mais em casa, então pode ter certeza de que vamos dar 100% no jogo contra o Chile", avisou o atacante Neymar.

O Chile é o terceiro colocado das Eliminatórias, com 26 pontos, e em caso de derrota no Allianz Parque pode ser ultrapassado por Argentina, Paraguai e pelo vencedor do confronto direto entre Colômbia e Peru, em Lima. Com a equipe de Messi em sexto lugar e tendo o Equador pela frente, em Quito, uma vitória brasileira seria fundamental para ajudar tirar a seleção vizinha do sufoco vivido atualmente, sendo que a Argentina hoje ocupa uma posição que não dá vaga sequer uma vaga na repescagem.

A seleção brasileira tem várias razões para se manter motivada para a rodada final das Eliminatórias. O primeiro é a despedida do Brasil, pois o jogo é o último em casa antes da Copa do Mundo. "Temos que fechar as Eliminatórias com chave de ouro. É preciso fazer o dever de casa. A seleção sempre tem cobrança e temos de fazer de tudo para vencer o Chile", disse o meia Willian. A partida no Allianz Parque deve ter uma grande festa para marcar a partida rumo à Rússia.

O segundo motivo para o Brasil se mobilizar é a revanche. Os chilenos foram a única equipe a bater a seleção nas Eliminatórias, ao fazerem 2 a 0 em Santiago em outubro de 2015, na primeira rodada. O outro fator para o grupo é que o técnico Tite tem ressaltado ao elenco que os jogos já devem ser encarados como os de uma Copa do Mundo. Então, muitos jogadores vão querer demonstrar serviço.

"Tratamos o Chile como mais um jogo de preparação para a Copa. Por isso é importante se concentrar, trabalhar e se preparar para merecer vencer", afirmou o meia Renato Augusto. Apesar de fugir da polêmica, o Brasil terá a torcida na última rodada de pelo menos cinco seleções interessadas no resultado da partida em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.