Thomas Santos | Mowa Press
  Thomas Santos | Mowa Press

Brasil inicia 'revolução' na transmissão de seus jogos contra Argentina

Quebrando tradição de anos, Globo não mostrará a partida da seleção com a Argentina, sexta-feira; jogo passará na TV Brasil, na TV Cultura e na internet

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 07h00

Quem quiser assistir ao clássico Brasil e Argentina nesta sexta-feira terá de acordar cedo (7h) e também zapear por canais pouco comuns nas transmissões dos grandes eventos esportivos do País – pelo menos até hoje. Quebrando a regra na tevê brasileira dos últimos anos, um dos maiores clássicos do mundo será transmitido pelas TVs Brasil e Cultura, que têm vieses educativos nas transmissões e que costumam dar traço na audiência. A outra opção é assistir ao jogo pela internet.

Sem a Globo, que não aceitou a proposta da CBF de adquirir os direitos de transmissão dos amistosos diante de Argentina e Austrália (dia 13) de forma avulsa, a entidade que comanda o futebol brasileiro decidiu alçar voo solo, e diferente, e comprou espaço por valor irrisório nas grades da TV Brasil e Cultura para mostrar as partidas.

As duas emissoras têm seus sinais exibidos em canais diferentes em cada Estado do Brasil. Alguns transmitem através de sinal próprio das emissoras, mas a maioria o faz na TV aberta por meio de retransmissão de TVs educativas estaduais – que não raro não conseguem ser sintonizadas fora das grandes metrópoles, algo bem diferente da Rede Globo, cujo sinal atinge praticamente todo o País.

Quem tem acesso à TV por assinatura terá menos dificuldade em sintonizar os canais, principalmente da emissora nacional. Isso porque ela está presente no pacote básico oferecido por praticamente todas as principais operadoras do Brasil. O acordo com a TV Brasil foi o primeiro a ser anunciado, e a emissora estatal optou por aproveitar da melhor forma a veiculação inédita de um jogo de futebol da seleção brasileira.

Mais do que vender o espaço na sua grade por três horas, entre às 6h30 e às 9h30 desta sexta, por R$ 15 mil, a TV Brasil alterou sua programação habitual e exibirá o programa de debates esportivos No Mundo da Bola logo após o jogo. Em geral, a atração é apresentada somente nas noites de domingo.

A TV Cultura decidiu manter a grade habitual antes e depois do jogo. O canal deixará de exibir atrações infantis como Peppa Pig e Cocoricó durante o horário do amistoso da seleção. Assim que acabar a transmissão, às 9h30, seguida dos palpites de Pelé e Denilson – que foram contratados pela CBF para comentar a partida –, além das reportagens pós-jogo direto de Melbourne, a Cultura volta com sua grade original, com o Quintal da Cultura e seus personagens Doroteia, Ludovico e Osório.

INTERNET

Além dos canais públicos de televisão, outra opção para assistir aos jogos será a internet. A CBF TV vai transmitir a partida também no seu site, assim como o Portal Uol, que anunciou acordo para exibição do jogo terça à noite. Já a operadora de celular Vivo, patrocinadora da seleção desde 2005, permitirá que seus assinantes assistam ao confronto através de canal próprio a ser acessado por celular e tablet.

As imagens serão geradas pela CBF TV. A entidade enviou profissionais a Melbourne. O narrador Nivaldo Pietro (Fox), Pelé e o ex-jogador Denilson (Band) foram contratados. Eles ficarão em um estúdio na sede da CBF, no Rio. A transmissão dos jogos por conta própria funcionará como uma espécie de “piloto” para a CBF. A intenção é faturar mais com transmissões próprias e patrocínios.

SAIBA COMO ACHAR OS CANAIS

Apesar de a TV Brasil e Cultura terem abrangência nacional, quem não tem o hábito de sintonizá-las poderá ter dificuldade em localizar os canais no aparelho. A TV Brasil, por exemplo, tem sinal próprio em apenas sete Estados – o canal é retransmitido nos demais por meio de parcerias com emissoras educativas. 

A TV Cultura informa que “126 milhões de pessoas têm acesso ao sinal” em todo o Brasil. Em São Paulo, a TV Cultura pode ser sintonizada no canal 2, enquanto a TV Brasil, no 2.1. Em sinal fechado, a emissora nacional tem transmissão na Sky (canal 166), Oi TV (20), Vivo TV (199), Claro TV (9), GVT (234) e Net (4).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

De olho na Copa da Rússia, Tite faz experiências na seleção

Técnico do Brasil quer aproveitar amistoso para dar descanso a alguns jogadores e observar outros atletas

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 07h00

O amistoso é contra a Argentina, um dos mais duros e tradicionais adversários do Brasil. Ainda assim, o técnico Tite vai fazer experiências na partida desta sexta-feira, às 7h05 (horário de Brasília), em Melbourne. Com a seleção já classificada para a Copa, o treinador quer aproveitar a data para abrir o leque de opções. Ele está de olho na formação do grupo que levará à Rússia ano que vem. De quebra, aproveita a oportunidade para dar descanso a alguns titulares, como Daniel Alves, Marcelo, Miranda e ao principal destaque da companhia, Neymar.

Tite não fez mistério sobre a formação que começará a partida contra a Argentina. Escalou Weverton, Fagner, Thiago Silva, Gil e Filipe Luís; Fernandinho, Paulinho, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Willian, além de Gabriel Jesus na frente. Isso significa que o goleiro do Atlético-PR terá chance efetiva como titular – ele atuou no amistoso de janeiro com a Colômbia, que teve a arrecadação destinada às vítimas do acidente com o avião da Chapecoense.

Weverton, no entanto, não relaciona o fato de ser titular contra a Argentina com o aumento das chances de garantir um lugar no elenco que vai à Copa do Mundo. “A gente não pode cravar. Torço muito para que seja assim, mas lembro o que aconteceu com o Prass na Olimpíada. Eu cheguei na seleção aos 48 do segundo tempo. Não esperava estar lá e fui. Então, eu tenho de aproveitar o momento, cada oportunidade que o Tite me dá para atuar. Só assim a gente pode pensar em Copa.”

Na sexta, a defesa também será completamente diferente da que Tite costuma escalar. Contra a Argentina jogam Fagner, Thiago Silva, Gil e Filipe Luís, jogadores que normalmente são convocados, mas que pouco atuaram com Tite. Além disso, David Luiz voltou a ser chamado e, se não for aproveitado contra a Argentina, ele certamente terá chance de convencer o treinador na partida do dia 13, também em Melbourne, diante da anfitriã Austrália.

No meio de campo, o volante Fernandinho vai substituir o titular Casemiro – outro que ganhou descanso após a temporada europeia –, mas, a partir daí, Tite optou por manter a estrutura da seleção brasileira, com exceção do atacante Neymar.

Assim, Paulinho, Renato Augusto e Phillipe Coutinho estão escalados, bem como Gabriel Jesus, que volta ao time após ter ficado fora dos jogos de março pelas Eliminatórias porque estava machucado. Willian será o substituto de Neymar e, pelo que Tite treinou, ele vai atuar pela esquerda, faixa normalmente ocupada pelo atacante do Barcelona, em vez da direita, onde está acostumado a jogar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Amistoso marca a estreia de Sampaoli como técnico da Argentina

Missão do treinador, ex-Chile e Sevilla, é recuperar a seleção; foco é diminuir a dependência de Messi

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 07h00

A Argentina entra numa nova era. A partida contra o Brasil marca o início da trajetória de Jorge Sampaoli no comando da seleção. Aos 57 anos, e depois dos fracassos de seus antecessores mais recentes, ele assume com a missão, quase uma obrigação, de tirar a equipe da incômoda quinta posição nas Eliminatórias Sul-Americanas à Copa da Rússia (hoje disputaria a repescagem) e levá-la à classificação direta ao Mundial de 18.

Para isso, Sampaoli promete resgatar pontos da essência do futebol argentino, como a ofensividade e o “jogo bem jogado”. Quer ainda montar um time competitivo, mais equilibrado e que não dependa tanto de sua estrela maior, Lionel Messi.

Sampaoli tem contrato até a Copa de 2022 (no Catar) e, apesar de saber que só chegará até lá se mostrar resultados, prefere dizer que seu trabalho não se resume a um bom desempenho no Mundial da Rússia. “Não aceitei o desafio de comandar a Argentina apenas na Copa de 2018. Meu vínculo vai até 2022 e vamos iniciar um projeto ambicioso dentro da seleção para alcançar os objetivos”, avisou.

Para isso, uma de suas metas é renovar o elenco. Por enquanto, neste início de trabalho, de maneira amena e gradativa. Seus objetivos são bastante claros: classificar a Argentina para a Copa é o primeiro deles.

FORMAÇÃO

Em sua estreia, Sampaoli vai montar a equipe com três zagueiros, quatro jogadores de meio e três mais avançado. Uma provável formação seria com Romero, Mercado, Otamendi e Fazio; Salvio, Biglia, Banega e Di María; Messi, Dibala e Higuaín.

Sampaoli espera que a Argentina seja competitiva já diante do Brasil, apesar do caráter amistoso do encontro. “Nós queremos que o melhor jogador do mundo se sinta feliz com a camisa da Argentina. Precisamos montar um time equilibrado e que trabalhe em conjunto. Não podemos colocar as derrotas e vitórias na conta de uma única pessoa.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.