Brasil joga suas fichas em Neymar contra a Argentina

Atacante está de volta à seleção e vira trunfo de Dunga

Raphael Ramos, enviado especial a Buenos Aires, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2015 | 07h00

Após cumprir quatro jogos de suspensão, o atacante Neymar volta nesta quinta-feira, às 22h (horário de Brasília), a vestir a camisa da seleção brasileira. Com o craque, que vive o melhor momento da carreira, volta também a esperança de dias melhores para a equipe de Dunga, que enfrenta a Argentina, no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, pela terceira rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Os números impressionam. Nos últimos oito jogos pelo Barcelona ele marcou dez gols. No Campeonato Espanhol, é o artilheiro isolado com 11 gols em 11 rodadas. Na Liga dos Campeões, foram mais dois gols.

Mas não são apenas as estatísticas que chamam atenção. No domingo, Neymar fez um gol antológico contra o Villarreal. De costas, deu um chapéu no seu marcador e, antes que a bola caísse no chão, bateu de primeira. O lance fez com que o atacante fosse comparado a Pelé pela imprensa europeia.

Desde a lesão de Messi, em setembro, Neymar assumiu o protagonismo do Barcelona. Para Dunga, inclusive, nesta temporada o brasileiro está à frente de Cristiano Ronaldo e Messi.

“Se fizermos o ranking por número, estatística, o Neymar está mostrando um aproveitamento superior. O Messi está machucado e o Cristiano a gente tem expectativa de que repita o ano passado. Neymar tem crescimento constante desde que chegou ao Barcelona. Sem o Messi, tem correspondido à expectativa. Está num bom momento”, disse o treinador.

Neymar volta hoje à seleção após cumprir suspensão imposta pela Conmebol após a expulsão contra a Colômbia na Copa América. Sem o craque em campo, o Brasil sofreu. Ainda na Copa América, a seleção venceu a Venezuela, mas empatou com o Paraguai e foi eliminada nos pênaltis. Depois, pelas Eliminatórias, começou com derrota para Chile por 2 a 0 e venceu, de novo, a Venezuela por 3 a 1.

Cientes de que o Brasil é hoje um time que depende dos gols de Neymar, os outros jogadores trabalham para que o craque possa ter liberdade em campo. “Todo jogador que vem para a seleção brasileira tenta desempenhar o mesmo papel que faz no seu clube. Nem sempre é possível, mas a gente tenta conversar para que ele tente resolver o jogo lá na frente”, disse Elias.

Dunga faz mistério sobre a escalação da equipe. Em relação ao time que jogou contra a Venezuela em Fortaleza, o treinador deve fazer apenas duas mudanças. Na zaga, David Luiz retorna após se recuperar de lesão e ficará com a vaga que foi ocupada por Marquinhos, seu companheiro de Paris Saint-Germain.

No ataque, Ricardo Oliveira deve sair para a entrada de Neymar. Assim, a seleção deixaria de jogar com centroavante fixo e passaria a atuar com dois atacantes abertos pelas laterais do campo: Neymar pela esquerda, e Douglas Costa na direita. É na velocidade da dupla e sobretudo no poder de fogo do craque do Barcelona que o treinador espera aproveitar as chances de contra-ataque. Dunga precisa da vitória para aliviar um pouco as críticas ao seu trabalho.

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA X BRASIL

ARGENTINA: Romero; Roncaglia, Otamendi, Funes Mori e Marcos Rojo; Biglia, Mascherano e Banega; Di María, Higuaín e Lavezzi. Técnico: Tata Martino

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luis Gustavo, Elias, Willian, Oscar e Neymar; Ricardo Oliveira. Técnico: Dunga

Local: Estádio Monumental de Núnez, em Buenos Aires (Argentina)

Data: 12 de novembro de 2015, quinta-feira

Horário: 22 horas (de Brasília)

Árbitro: Antonio Arias (Paraguai)

Auxiliares: Eduardo Cardozo e Milciades Saldívar (ambos do Paraguai)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.