Jose Jacome|EFE
Jose Jacome|EFE

Brasil leva virada do Uruguai e se complica no Sul-Americano Sub-20

Time de Micale cai de rendimento e perde por 2 a 1 em Quito

Estadao Conteudo

02 Fevereiro 2017 | 23h34

Assim como em sua estreia no hexagonal final do Campeonato Sul-Americano Sub-20, a seleção brasileira vacilou pela segunda rodada da competição. O time nacional saiu na frente no primeiro tempo, mas depois caiu de rendimento e levou a virada por 2 a 1 do Uruguai, na noite desta quinta-feira, no Estádio Olímpico de Atahualpa, em Quito (EQU), e se complicou no torneio.

Na estreia deste estágio derradeiro da competição, o Brasil empatou por 2 a 2 com o anfitrião Equador, na última segunda-feira, quando chegou a estar vencendo por 2 a 0, no mesmo palco do confronto desta quinta.

Com o resultado, a seleção comandada por Rogério Micale soma apenas um ponto em dois jogos no hexagonal final, que definirá o campeão da competição e cujos quatro primeiros colocados garantirão vaga no próximo Mundial Sub-20.

Com um ponto, o Brasil terminou o confronto na quinta e penúltima posição do hexagonal, à frente apenas da Colômbia, que poucas horas mais cedo foi derrotada pela Argentina por 2 a 1, no mesmo Estádio Olímpico de Atahualpa.

Já o Uruguai se manteve na liderança isolada, agora com seis pontos, depois de já ter estreado no hexagonal final com uma ótima vitória por 3 a 0 sobre a Argentina, que virou vice-líder provisória com a vitória sobre os colombianos nesta quinta.

Em jogo que será encerrado apenas na madrugada desta sexta (no horário de Brasília), Equador e Venezuela se enfrentam no fechamento da segunda rodada, sendo que as ambas as seleções têm um ponto e jogarão com chance de ultrapassar a Argentina.

No duelo desta quinta, o Uruguai começou melhor do que o Brasil, com maior volume ofensivo, mas a equipe nacional conseguiu achar o seu gol primeiro, aos 23 minutos, graças ao talento de David Neres. O jogador, que o São Paulo acaba de negociar com o Ajax, da Holanda, em uma negociação de cerca de R$ 50 milhões, deu belo lançamento para Guilherme Arana, do Corinthians, que recebeu nas costas da zaga, dominou e tocou com tranquilidade na saída do goleiro.

A partir da etapa final, porém, o jogo começou a desandar para o Brasil aos 14 minutos. Após cobrança de tiro de meta, o camisa 10 uruguaio Rodrigo Amaral recebeu na intermediária, ajeitou para a perna esquerda e soltou a bomba de fora da área para acertar o canto esquerdo do goleiro Lucas Perri, sendo que a bola ainda bateu na trave antes de entrar.

E a vida da seleção brasileira se complicou ainda mais quando o zagueiro Lucas Cunha, que já tinha cartão amarelo, derrubou Schiappacase em uma falta e receber o cartão vermelho, já aos 21 minutos.

Mesmo com um a menos, o Brasil segurou o empate até levar o segundo gol nos acréscimos, aos 46 minutos. Após a defesa se afastar de forma errada para colocar os uruguaios em impedimento, Viña recebeu livre na entrada da área e ainda viu o goleiro Lucas Perri sair muito mal, sem noção de espaço, e deixar o seu gol livre para o zagueiro uruguaio tocar para o gol vazio.

Pouco antes disso, aos 45, o zagueiro Lyanco ainda foi expulso por também cometer uma falta que resultou em seu segundo cartão amarelo. Assim, o Brasil ficou sem os seus dois defensores titulares para o jogo contra a Venezuela, domingo, às 19 horas, pela terceira rodada do hexagonal final.

Mais conteúdo sobre:
Seleção brasileira futebol Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.