Brasil não empolga, mas pontua com 0 a 0 contra a Colômbia

Resultado é positivo pelas adversidades, principalmente chuva e pressão; time volta a jogar quarta, no Rio

Estadão

14 de outubro de 2007 | 21h52

Chuva, pressão da torcida, aumento nas dimensões do campo, altitude de 2.640 metros em Bogotá e o empolgado time colombiano. Diante de tanta adversidade, a seleção brasileira trouxe um ponto na bagagem na abertura de sua caminhada rumo à Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. Apesar de muito trabalho, alguns sustos, a equipe conseguiu, sem brilhar, segurar um 0 a 0 neste domingo em sua estréia nas Eliminatórias sul-americanas.Veja também: Classificação Próximos jogos / Últimos resultados Vote: como você avalia a estréia do Brasil nas Eliminatórias? Bate-pronto: Cautela demais para o primeiro jogo Seleção comemora ponto conquistado em 'resultado justo'De positivo na igualdade, apenas a marca de jamais ter perdido em aberturas nas Eliminatórias. Agora, são seis vitórias em estréias e cinco empates. E se coincidência valer, é bom lembrar que em 2000 as duas seleções também empataram sem gols no primeiro jogo, na Colômbia.Por causa da forte chuva em Bogotá, insistente nos últimos dois dias, a partida atrasou em seu início por 45 minutos. A decisão coube ao árbitro paraguaio Carlos Amarilla. "Já vi jogos em gramados muito piores, mas a decisão foi do árbitro, que preferiu adiar para preservar o espetáculo", disse o supervisor da seleção, Américo Faria.O dirigente não protestou formalmente, mas mostrou descontentamento com a medida. Já o técnico Dunga não se conteve. "Prejudica. Estávamos preparado para entrar e tivemos de repetir todo o aquecimento."Jogadores perfilados, hinos nacionais bem executados, hora de a bola rolar. E como rolou, mostrando que a chuva em nada prejudicou o espetáculo. Valendo vaga em Copa do Mundo, viu-se um duelo com correria colombiana e pouca agressividade brasileira, apelando para toques de lado e sem grandes chances de gols. COLÔMBIA0Agustín Julio; Zúñiga, Mosquera, Moreno e Vélez; Carlos Sanchez, Castrillon (Grisales), Amaya e Ferreira (Ramírez); Falcão (Perea    ) e Rentería    Técnico: Jorge Luis Pinto BRASIL0Júlio César    ; Maicon, Juan, Lúcio     e Gilberto; Mineiro, Gilberto Silva    , Kaká     (Afonso) e Ronaldinho Gaúcho; Robinho (Júlio Baptista) e Vágner Love (Josué)Técnico: DungaÁrbitro: Carlos Amarilla (Paraguai)Renda: Não disponívelPúblico: 42 mil presentesEstádio: El Campín, em Bogotá (Colômbia)Atenção maior para arbitragem, questionada no início. Primeiro foram os brasileiros que reclamaram a não marcação de pênalti de Sanchez em Gilberto. Depois, os colombianos é quem foram à loucura por Carlos Amarilla não marcar puxão de Juan em Rentería, na área.O técnico Jorge Luis Pinto não se conteve. Protestou com veemência, exagerou e acabou tendo de dirigir a equipe da arquibancada, após ser expulso com apenas 15 minutos.Praticamente não viu a cabeçada firme de Rentería e a ótima defesa de Júlio César. Um duelo que se repetiria antes do intervalo e novamente com vantagem do goleiro. Também não veria seu time sofrer, apenas da escalação do quarteto Robinho, Vágner Love, Kaká e Ronaldinho Gaúcho. "Estamos colocando nosso ritmo. No segundo tempo vamos atacar com mais precisão", prometeu Gaúcho.No entanto, não foi o que pode-se ver. Os irritantes passes de lado, sem pressa e com segurança foram a tônica da etapa. Não à toa, as vaias, cada vez maiores, contra a preguiça brasileira. Era nítida a satisfação por trazer um empate da Colômbia. Agora, é não repetir a falta de objetividade em casa, para o time não entrar, com apenas dois jogos, em rota de colisão com a torcida.Agora, a seleção treina na Gávea, no Rio, nesta segunda. Na terça, o elenco faz reconhecimento do Maracanã onde, na quarta-feira, enfrenta o Equador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.