Daniela Porcelli/CBF
Daniela Porcelli/CBF

Brasil perde a decisão do Torneio Internacional para a China nos pênaltis

Equipe da técnica Pia Sundhage não sai do 0 a 0 no tempo normal e é eliminada ao desperdiçar duas penalidades

Redação, Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2019 | 11h10

A seleção brasileira feminina de futebol perdeu a decisão do Torneio Internacional, neste domingo, em Chongqing, na China, para a seleção anfitriã nos pênaltis. O placar das cobranças foi 4 a 2, após empate sem gols no tempo normal. Esta é a segunda vez que o time da técnica sueca Pia Sundhage perde um torneio internacional nos pênaltis. A outra vez ocorreu em setembro, no Pacaembu, para o Chile, após outro empate por 0 a 0 nos 90 minutos. Em compensação, a vitoriosa treinadora conrinua sem derrotas, após seis jogos, com quatro vitórias e dois empates.

O Brasil disputou pela segunda vez o título do Torneio Internacional da China. Em 2017, a seleção foi campeã ao superar o México e a Coreia do Sul, e empatar com a China. Nessa edição, o formato da competição era em pontos corridos. Atualmente, a organização adota o sistema de semifinal e final. Para chegar à decisão, o Brasil goleou o Canadá por 4 a 0, enquanto as chinesas venceram a Nova Zelândia por 2 a 0.

A China começou a partida com forte marcação na saída de bola do Brasil, que sentiu dificuldade para iniciar as jogadas. A opção foi concentrar as bolas nas laterais, principalmente pelo lado esquerdo com Tamires. Com velocidade, a seleção conseguiu encontrar espaços para entrar na zaga chinesa. Debinha, mais uma vez, foi o destaque tanto nas finalizações quanto na armação das jogadas. A melhor oportunidade surgiu aos 22 minutos, quando Chú, no contra-ataque, lançou Debinha na direita. A atacante invadiu a área, passou pela marcação e bateu de pé esquerda. A finalização passou perto da meta da goleira Peng Shimeng.

Melhor na partida, o Brasil ainda teve mais uma grande oportunidade antes do intervalo, quando Debinha iniciou a jogada e descobriu Ludmila no meio da zaga chinesa. A atacante driblou a zagueira e chutou com grande perigo.

No segundo tempo, o Brasil perdeu o ritmo e viu as chinesas dominarem. Em vinte minutos, as anfitriãs já haviam finalizado quatro vezes contra nenhum chute a gol do Brasil. A primeira jogada organizada de ataque do time nacional só surgiu aos 37 minutos, mas, após várias trocas de passes perto da área chinesa, Raquel bateu fraco na bola.

Apesar de melhor nos 45 minutos finais, as chinesas não conseguiram levar grande perigo para o gol de Bárbara. Surpreendentemente, o Brasil teve duas boas chances para evitar a disputa de pênaltis no fim do jogo. Andressinha cobrou para fora uma falta a dois passos da grande área e Geyse, sozinha, após belo passe de Letícia, perdeu a melhor chance do jogo, aos 49 minutos.

Nos pênaltis, o Brasil errou duas vezes. Tamires chutou na trave, a bola bateu nas costas da goleira chinesa e saiu. Aline e Raquel converteram suas cobranças, mas Andressinha chutou para fora. As chinesas acertaram todas. E festejaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.