Claudio Reyes/AFP
Claudio Reyes/AFP

Brasil perde do Uruguai e se complica ainda mais no Sul-Americano Sub-20

Após derrota por 3 a 2, seleção está ameaçada de ficar fora do Mundial e dos Jogos Pan-Americanos

Redação, Estadão Conteúdo

04 Fevereiro 2019 | 20h46

A seleção brasileira sub-20 voltou a decepcionar nesta segunda-feira e se complicou de vez no Sul-Americano da categoria. Em Rancagua, no Chile, a equipe perdeu para o Uruguai por 3 a 2, manteve-se na lanterna do hexagonal final e se distanciou das vagas para o Mundial da Polônia e os Jogos Pan-Americanos.

Depois de estar perdendo por 2 a 0, o Brasil conseguiu o empate, mas foi castigado nos acréscimos. Com o resultado, continua com apenas um ponto em três rodadas disputadas, precisa vencer o Equador quinta-feira e a Argentina domingo e ainda torcer por outros resultados para buscar uma das quatro vagas no Mundial, que acontecerá em maio, e uma das três para os Jogos Pan-Americanos de Lima, em julho.

Desfalcada do suspenso Rodrygo, a seleção mostrou pouca capacidade de criação e muito nervosismo. Melhor para o Uruguai, que, comandado por Schiappacasse, subiu para sete pontos, na liderança do hexagonal. Na quinta, a equipe fará outro clássico continental, diante da Argentina.

O Brasil começou tentando se impor, ganhou o campo de ataque e assustou logo aos oito minutos. Toró fez ótimo lance e, de frente para o goleiro, tentou o toque para Ramires, facilitando para a defesa uruguaia. O lance foi um exemplo perfeito da falta de confiança brasileira, que seria vista no restante da partida.

O cenário seguiu o mesmo. O Brasil dominava a posse, ocupava o campo de ataque, mas não agredia. Em lance fortuito, quase marcou aos 36, quando Tetê aproveitou sobra na área e parou no goleiro. A principal chance da etapa inicial, porém, foi uruguaia. Schiappacasse tabelou com Gómez e ficou de frente para o gol, mas acertou o pé do goleiro Phelipe.

Era o que o Uruguai precisava para ganhar confiança e voltar muito superior do intervalo. Aos dois minutos, Ancheta quase surpreendeu Phelipe, que fez grande defesa. Aos 13, Schiappacasse cobrou falta próxima à área e o goleiro voou para espalmar de novo, mas a bola tocou no travessão e ficou limpa para Gómez abrir o placar.

O gol atordoou o Brasil, que levaria o segundo somente seis minutos depois. Schiappacasse recebeu pela esquerda, invadiu a área e cortou Thuler, que o calçou por baixo. Pênalti, que o próprio meia cobrou com categoria para ampliar.

Desesperada, a seleção se lançou ao ataque e diminuiu aos 23, quando Lincoln recebeu longo lançamento de Marcos Antonio e tirou do goleiro. E na base da insistência, o empate saiu aos 39 minutos. Emerson cruzou da direita, a bola passou por todo mundo e Luan Cândido finalizou de primeira para marcar.

O final de jogo se tornou aberto, com ambas as equipes buscando a vitória. E em um chute muito feliz, García garantiu o triunfo ao Uruguai. Já aos 47 minutos, ele aproveitou sobre pela direita e arriscou de longe, no ângulo esquerdo de Phelipe, para selar o resultado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.