Matilde Compodonico/AP
Matilde Compodonico/AP

Brasil perde para a Argentina no Sul-Americano Sub-20

Seleção sofre dois gols no final de partida marcada por racismo de jogador e torcedores que estavam no estádio contra brasileiros

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2015 | 22h13

A seleção brasileira Sub-20 se complicou, e muito, no Sul-Americano da categoria, que está sendo realizado no Uruguai. Neste domingo, pela terceira rodada do hexagonal decisivo, o time comandado pelo técnico Alexandre Gallo sofreu um "apagão" nos últimos minutos e, com dois gols sofridos no final, perdeu o clássico para a Argentina por 2 a 0, no estádio Parque Central, em Montevidéu.

O resultado deixa o Brasil em situação difícil na luta pelo título da competição. Com quatro pontos, os brasileiros já estão atrás da Argentina, que tem 7, e da Colômbia, que chegou a cinco ao bater o lanterna Peru (sem pontuar) por 3 a 1, também neste domingo.

Se a disputa pelo título está complicada, o Brasil só depende de suas forças por uma vaga no Mundial Sub-20, que será realizado na Nova Zelândia, entre os meses de maio e junho deste ano. Os quatro primeiros colocados se classificarão e vitórias contra Peru, nesta quarta-feira, e Colômbia, no sábado, farão com que o time de Alexandre Gallo atinja este objetivo.

Em campo, Brasil e Argentina fizeram uma partida bem movimentada, mas com pouca criatividade. No primeiro tempo, foram poucas chances de gol, mas os argentinos estiveram mais perto de balançar as redes em uma cabeçada de Giovanni Simeone, filho do ex-volante e atual técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone.

O problema brasileiro aconteceu na segunda etapa. O time ficou muito instável e começou a dar espaço para os argentinos. Ainda conseguiu criar boas chances - como aos 7 minutos, quando Lucas Evangelista só foi parada em uma bela defesa de Batalla -, mas teve um "apagão" nos instantes finais.

Depois de ver um chute de Simeone bater no travessão, aos 30 minutos, o Brasil se perdeu e sofreu o primeiro gol aos 41. Maxi Rolón recebeu lançamento por trás da zaga, invadiu a área, passou à frente da marcação brasileira e tocou na saída do goleiro Marcos. Três minutos, nova falha defensiva e gol de cabeça de Contreras, que decretou o triunfo argentino.

RACISMO
Um novo caso de racismo aconteceu neste domingo contra jogadores brasileiros. Na última segunda-feira, o meia Marcos Guilherme disse ter sido chamado de "macaco" pelo atacante uruguaio Facundo Castro. Desta vez, câmeras da transmissão da SporTV flagraram torcedores no estádio proferindo insultos racistas contra jogadores brasileiros, que conseguiram ouvi-los.

"Ouvi sim. A gente fica triste pelo jogo porque isso aí acontece mesmo. Ficou normal, hoje em dia. Ninguém tem mais respeito por ninguém. Não gosto nem de falar isso. Vamos focar no jogo", afirmou o atacante Marcos Guilherme, em entrevista à emissora de TV a cabo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.