Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Brasil prega respeito e reforça atenção para evitar novo Maracanazo

Elenco adota discurso de fugir de favoritismo antes de final da Copa América contra o Peru

Ciro Campos, enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2019 | 09h30

Ter vencido o adversário da final com uma goleada recente por cinco gols, contar com o Maracanã lotado de torcedores na disputa pelo título, ter retrospecto recente positivo contra o rival e se apresentar como favorito. As condições parecem envolver a partida do Brasil contra o Peru pela decisão da Copa América, neste domingo, mas se aplicam também ao contexto de 1950 da dura derrota no Maracanazo.

O discurso de evitar a acomodação e o clima de título antecipado foram recorrentes na seleção brasileira ao longo dos últimos dias. A classificação para enfrentar o Peru na final, neste domingo, no Maracanã, fez os jogadores reforçarem na entrevista o discurso de se tratar de uma partida diferente da realizada na fase de grupos, com vitória brasileira por 5 a 0 na Arena Corinthians e com três gols marcados ainda no primeiro tempo.

"Nós somos jogadores experientes à altura de saber que é uma final. Se a seleção peruana chegou aqui, é por méritos. Eles eliminaram duas grandes seleções, temos de ter o respeito por isso", afirmou o volante Casemiro nesta sexta-feira. A última derrota do Brasil para o Peru foi em 2016, pela Copa América Centenário, por 1 a 0. Raul Ruidíaz marcou um gol irregular, com o braço na ocasião.

A traumática derrota por 2 a 1 na Copa do Mundo de 1950 para o Uruguai teve como antecedentes vitórias brasileiras sobre o algoz. Em 1949, pelo Sul-Americano, versão antiga da Copa América, houve goleada por 5 a 1. Depois desse jogo até o encontro decisivo no Maracanã foram realizadas mais três partidas entre as equipes, nas quais o Brasil ganhou duas e perdeu uma.

O retrospecto brasileiro contra o Peru é bastante positivo. No total, foram 44 jogos desde 1937, com 31 vitórias brasileiras, quatro peruanas e nove empates. No total, o Brasil marcou 95 gols e levou 29. O encontro mais importante entre os dois foi pelas quartas de final da Copa do Mundo de 1970, no México. E deu Brasil, com vitória por 4 a 2.

"Nós não vamos menosprezar nenhum adversário. Tanto é que faz tempo que temos treinado pênaltis, para se preparar bem pra os jogos", disse Casemiro. O zagueiro Marquinhos relembrou o jogo da primeira fase e reforçou que antes de abrir o placar para a vitória por 5 a 0, a partida estava equilibrada. "Fui um jogo complicado no começo. Eles pressionaram nossa saída de bola. Quando saiu os gols, o jogo se clareou. A final será em um outro contexto", afirmou o defensor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.