Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Brasil promete ajustar ataque e deve apostar em Everton contra o Peru

Tite esconde time, mas pensa em escalar atacante do Grêmio em jogo decisivo pela Copa América

Ciro Campos, Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

22 de junho de 2019 | 04h30

Depois de não fazer nenhum gol contra a Venezuela e encerrar uma sequência de 20 jogos nos quais o Brasil sempre balançou as redes ao menos uma vez, a seleção deve ter mudanças no ataque para a partida deste sábado, às 16h, contra o Peru, na Arena Corinthians. Everton Cebolinha é o mais cotado para assumir a vaga de David Neres. Existe também a possibilidade de Gabriel Jesus substituir Richarlison. Tite faz mistério e não quis antecipar a escalação da equipe.

Por mais que o Brasil possa se classificar às quartas de final da Copa da América até mesmo com uma derrota, a situação de Tite não é confortável. A seleção não vem apresentando um bom futebol e foi vaiada nos dois jogos que disputou até aqui no torneio, no Morumbi e em Salvador. Antes do empate por 0 a 0 com a Venezuela, na terça-feira, a última vez que a seleção tinha amargado um jogo inteiro sem marcar um único gol havia sido em novembro de 2017, em amistoso com a Inglaterra. Desde então, foram 45 gols em 21 jogos.

A aposta de Tite para aumentar o poder de fogo da seleção e avançar na Copa América sem sustos deve ser Everton, que entrou bem nos jogos contra Bolívia e Venezuela. Diante dos bolivianos, por exemplo, ele ficou apenas dez minutos em campo, mas foi o suficiente para fazer um belo gol.

Everton atua pelo lado esquerdo do ataque e tem como principal arma as jogadas em profundidade, abrindo espaços na defesa. A faixa do campo é a mesma utilizada por Neymar, cortado às vésperas da Copa América depois de romper os ligamentos do tornozelo direito. O atacante do Paris Saint-Germain, inclusive, visitou o elenco no hotel onde o time está concentrado na capital paulista. O jogador se movimentou sem muletas e imagens divulgadas pela CBF mostram Tite perguntando se o jogador está se recuperando bem da lesão.

Everton foi o primeiro escolhido por Tite para a vaga de Neymar. No amistoso contra o Catar, depois que o craque se machucou, foi ele quem entrou que o substituiu. Mas o atacante do Grêmio não jogou bem e, na partida seguinte, contra Honduras, o treinador escalou David Neres como titular. O ex-são-paulino soube aproveitar a oportunidade, marcou um gol no Beira-Rio, mas não vem fazendo uma boa Copa América e, por isso, pode perder o lugar no time para Everton.

Já com a possível troca de Richarlison por Gabriel Jesus tem como objetivo melhorar as finalizações de média e longa distância da seleção. O próprio Tite admite que o time precisa arriscar mais chutes e deu ênfase a esse tipo de jogada nos últimos treinos. Gabriel Jesus foi bastante elogiado pela comissão técnica pela pontaria nos arremates de longe, enquanto Richarlison tem falhado justamente neste fundamento.

O desafio de Tite para a partida de hoje será fazer o time atacar mais sem deixar a defesa tão exposta. Assim, o treinador insiste que o time tem de ter equilíbrio tático. A principal preocupação de Tite é com o atacante Paolo Guerrero, com quem trabalhou no Corinthians (ambos foram campeões mundiais em 2012). 

"É um grande jogador, já o enfrentei. Tem grande movimentação, aguda. Temos de fazer o melhor, ele vai estar defendendo a seleção do Peru, eu o Brasil. Vamos travar uma boa luta dentro de campo", disse o zagueiro Marquinhos.

FICHA TÉCNICA

PERU X BRASIL

PERU: Gallese; Advincula, Abram, Araujo e Trauco; Yotún, Tapia, Polo, Cueva e Farfán; Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís; Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho; Everton (David Neres), Richarlison (Gabriel Jesus) e Firmino. Técnico: Tite.

Juiz: Fernando Rapallini (ARG).

Local: Arena Corinthians. 

Horário: 16h.

TV: Globo e SporTV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.