Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Brasil se despede das Eliminatórias contra Venezuela

Seleção brasileira joga de olho em preparação para a Copa de 2010, enquanto Venezuela ainda sonha com vaga

Amanda Romanelli e Marcius Azevedo, Agencia Estado

14 de outubro de 2009 | 08h04

O jogo não vale nada, nem para Brasil, nem para Venezuela - que tem remotíssimas chances de classificação. Um já está na Copa de 2010; o outro, tem mesmo é que começar a pensar no Mundial de 2014. Mas o derradeiro duelo do País nas Eliminatórias Sul-Americanas, nesta quarta-feira, às 19 horas (de Brasília), no estádio Morenão, em Campo Grande, será o último antes do maior desafio verde-amarelo: a briga por mais um título mundial. Desta vez, na África do Sul. A partida terá acompanhamento do estadao.com.br e transmissão da Rádio Eldorado/ESPN - AM 700/ FM 107,3.

Veja também:

linkCopa 2010: mais oito países estão classificados

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O clima de euforia que tomou conta da capital de Mato Grosso do Sul desde o sábado não define apenas uma torcida sedenta por um jogo com craques do quilate de Kaká e Luis Fabiano. Também demonstra, de maneira clara, o otimismo que tomou conta dos que acompanham o futebol da seleção nacional. Se Dunga não é unanimidade, pelo menos ficaram para trás os gritos de "Adeus!", ouvidos em jogos também das Eliminatórias, no Engenhão e no Mineirão.

Os mesmos que, há pouco mais de três anos, desconfiavam do poder de reação e de comprometimento do Brasil, depois da fracassada campanha na Copa da Alemanha, em 2006, veem motivos para sorrir e acompanhar os duelos em terras africanas no ano que vem. "Os resultados vieram porque todos os brasileiros - e eu me incluo nisso - queria jogadores comprometidos, que gostassem de jogar na seleção, apesar de todos os problemas. Queriam gente como atitude e postura de quem representa o País", sentenciou o treinador.

Nesta quarta, o ex-jogador transformado em técnico pelas mãos do presidente Ricardo Teixeira, chegará à sua 50.ª partida como comandante da seleção. Tem excelente aproveitamento: desde sua estreia (empate por 1 a 1 contra a Noruega, em 16 de agosto de 2006), acumulou 34 vitórias, 10 empates e cinco derrotas. A última delas veio no domingo contra a Bolívia, em La Paz, por 2 a 1.

Nesta noite, como Dunga já deixou claro, manterá a sua ''espinha dorsal'' formada por Gilberto Silva, Kaká e Luis Fabiano. Elano deve voltar à equipe e Lucas, único sul-mato-grossense da equipe, ganhará chance no time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.