Claudio Reyes/AFP
Claudio Reyes/AFP

Entenda a complicada situação da seleção brasileira sub-20 no Sul-Americano

Equipe comandada por Carlos Amadeu vive uma péssima fase e pode perder chance de vaga para o Mundial e para o Pan

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2019 | 10h46

O pífio desempenho da seleção brasileira sub-20 no Campeonato Sul-Americano da categoria liga um sinal de alerta para o futuro do time nacional e deixa a equipe em uma situação bastante delicada para a sequência da competição, que dá vaga para o Mundial da categoria e para os Jogos Panamericanos.

Na segunda-feira, a seleção comandada por Carlos Amadeu perdeu por 3 a 2 para o Uruguai e ficou na lanterna do hexagonal final da competição, com apenas um ponto em três jogos. O Uruguai lidera com sete, seguido por Argentina e Equador (ambos com seis), Venezuela (quatro) e Colômbia (também com um, mas melhor saldo que o Brasil). 

Os quatro primeiros colocados do torneio garantem vaga para o Mundial da categoria, que acontecerá na Polônia, entre os dias 23 de maio e 15 de junho. Os três primeiros ainda asseguram vaga para o Pan-Americano, que vai ser realizado entre 26 de julho e 11 de agosto, no Peru.

A equipe brasileira volta a campo nesta quinta-feira para enfrentar o Equador e o último e decisivo confronto será contra a rival Argentina, no domingo. O fato é que o time de Carlos Amadeu precisa mudar a postura ou dificilmente conquistará a vaga para os torneios. 

Desde o início da competição, o Brasil não empolgou. Na primeira fase, ficou em segundo no Grupo A, com sete pontos, tendo duas vitórias, um empate e uma derrota. Mesmo quando conquistou o resultado positivo, não chegou a arrancar aplausos de sua torcida.

No papel, o time convocado por Carlos Amadeu passa confiança, mas não é o que acontece em campo. A equipe é extremamente dependente do atacante Rodrygo, do Santos, e que está de partida para o Real Madrid. A seleção conta também com outros talentos, como Lincoln, do Flamengo, e Ramires, do Bahia, mas os garotos parecem que ainda não conseguiram entrosar como o esperado. 

No hexagonal, além da má atuação, a equipe passou também a demonstrar uma fragilidade psicológica. Contra a Venezuela, pela segunda rodada, o time sentiu o gol sofrido, passou a abusar das faltas e o astro do time Rodrygo, foi expulso após dar uma entrada violenta em um adversário. 

Contra o Uruguai, mais uma vez o time não soube lidar com a pressão e perdeu por 3 a 2. Com o resultado, o Brasil ficou em uma situação em que precisa vencer seus dois jogos e torcer por outros resultados para conquistar a classificação para o Pan. Um empate e uma vitória ainda há a possibilidade de conquistar a vaga para o Mundial, entretanto também dependeria de outros resultados. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.