Jonne Roriz/Estadão
Jonne Roriz/Estadão

Brasil troca Tanzânia e Andorra por testes mais difíceis antes da Copa

Na preparação para ir à Rússia, seleção deixa de lado adversários frágeis, como fez nos anos anteriores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

05 Junho 2018 | 07h00

A seleção brasileira conseguiu nesta preparação para a Copa na Rússia um fator inédito em comparação a edições anteriores do torneio. A equipe trocou os amistosos finais contra adversários fracos e até semiprofissionais para fechar os ajustes para a estreia com rivais de tradição.

+ Confira a lista de convocados das 32 seleções

+ Fifa diz que Catar definirá se Copa terá 48 equipes

+ Tabela da Copa do Mundo 2018

O duelo de domingo com a Croácia, em Liverpool, por exemplo, foi a primeira vez na história em que o Brasil enfrentou em um jogo pré-Copa uma outra equipe classificada para o Mundial. Tite quis encarar a equipe pelo estilo de jogo ser parecido ao da Sérvia, adversário da primeira fase, além da qualidade do time servir como um bom teste para a seleção.

No próximo fim de semana será a vez de jogar contra a Áustria, em Viena. Apesar de não ter se classificado, a equipe europeia bateu a Alemanha de virada no último fim de semana por 2 a 1 e já disputou sete edições de Copa do Mundo.

Os jogos na Europa se contrapõem a um histórico de compromissos com adversários frágeis antes de Mundiais anteriores. Em 2006, por exemplo, a seleção enfrentou na Suíça o Combinado de Lucerna, formado por jogadores semiprofissionais. A vitória foi fácil: 8 a 0.

Nessas ocasiões, a postura da seleção era escolher rivais fracos para não expor atletas a um ritmo mais competitivo, garantir ritmo forte de jogo e também confiança. Só em 1990 o plano deu errado. Em um jogo-treino na Itália, a seleção perdeu por 1 a 0 para o Combinado da Úmbria, formado por jogadores de times pequenos como Gubbio, Perugia e Ternana.

A derrota foi a única da história da seleção em amistosos pré-Copa. No geral o retrospecto é formado por goleadas sobre equipes como os 8 a 2 sobre Honduras, em 1994, e 4 a 0 sobre a Malásia, em 2002. A preparação para Mundiais anteriores serviu também para o Brasil encontrar rivais que dificilmente voltará a enfrentar, como Andorra, Zimbábue e Tanzânia.

Alguns jogos preparatórios para as Copas:

Brasil 3 x 0 Irapuato - 1970

Brasil 5 x 2 Combinado da Basileia - 1974

Brasil 0 x 1 Combinado da Umbria - 1990

Brasil 8 x 2 Honduras - 1994

Brasil 4 x 0 El Salvador - 1994

Brasil 3 x 0 Andorra - 1998

Brazil 4 x 0 Malásia - 2002

Brasil 4 x 0 Nova Zelândia - 2006

Brasil 8 x 0 Combinado de Lucerna - 2006

Brasil 3 x 0 Zimbábue - 2010

Brasil 5 x 1 Tanzânia - 2010

Brasil 4 x 0 Panamá - 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.