Darren Staples/Reuters
Darren Staples/Reuters

Brasil vê ampliar o seu histórico de polêmicas de arbitragem em estreias de Copas

Pedido de pênalti em Gabriel Jesus e falta sobre Miranda no gol suíço na estreia na Rússia incomodam seleção

Leandro Silveira, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2018 | 10h30

O empate do Brasil por 1 a 1 com a Suíça, domingo, em Rostov, interrompeu uma sequência de nove vitórias da seleção em estreias na Copa do Mundo, mas também serviu para ampliar um histórico. O duelo apitado pelo mexicano César Ramos foi mais um compromisso inicial da equipe nacional na competição que acabou ficando marcado por decisões polêmicas envolvendo a arbitragem.

+ Brasil não vence em estreia da Copa do Mundo desde 1978

+ Tite vê falta clara em Miranda, mas não quer jogadores reclamando

+ Miranda: "Jogador me dá empurrão, mas não estou aqui para julgar"

A principal reclamação dos jogadores e membros da comissão técnica sobre o jogo disputado na Arena Rostov é relacionada ao gol marcado pela Suíça, no início do segundo tempo, por Zuber, que empurrou Miranda e o deslocou após passe da direita originado por cobrança de escanteio, facilitando o seu cabeceio para as redes. Ramos, porém, considerou o lance legal e não acionou o árbitro de vídeo para rever a jogada, mesmo diante das reclamações dos jogadores brasileiros de que teria havido falta.

Além desse lance, a seleção reclamou de um suposto pênalti em Gabriel Jesus, também no segundo tempo, mas quando o jogo já estava 1 a 1. O atacante alegou que, ao girar sobre o seu marcador na grande área, recebeu um contato, o que o acabou derrubando. O árbitro mexicano, entretanto, teve a interpretação que a ação do jogador suíço foi legal.

Nas edições de 2014 e de 2002 da Copa do Mundo, lances polêmicos de pênalti também envolveram a seleção brasileira. Em ambas as oportunidades, porém, a arbitragem assinalou faltas na grande área para a equipe, o que provocou enorme revolta dos rivais, então derrotados nestes confrontos.

 

Em 2014, no jogo em que o Brasil venceu a Croácia por 3 a 1, Fred foi ao chão após receber um contato aparentemente leve de Lovren - Neymar, então, converteu a cobrança e desempatou o placar para 2 a 1. Doze anos antes, o erro da arbitragem foi mais grosseiro, e também ocorreu com o placar em 1 a 1, diante da Turquia. Naquela oportunidade, Luizão foi derrubado por Aplay fora da área, mas, ao cair, mergulhou até a grande área, confundindo o juiz, que assinalou pênalti, que foi cobrado com êxito por Rivaldo, definindo o triunfo brasileiro por 2 a 1.

Outras polêmicas decisões de árbitros em estreias do Brasil ocorreram em 1978 e 1986. No Mundial da Argentina, nos acréscimos do empate por 1 a 1 com a Suécia, Zico completou para as redes após uma cobrança de escanteio de Nelinho, mas o árbitro não validou ao gol, pois encerrou o jogo antes do cabeceio do meia. Já em 1986, uma finalização do espanhol Michel acertou o travessão da meta defendida por Carlos e quicou dentro dela antes de sair. O juiz, porém, não percebeu que a bola havia ultrapassado a linha do gol brasileiro. E a seleção acabou vencendo o jogo por 1 a 0 com o gol marcado por Sócrates.

Nesta segunda-feira, a cúpula da arbitragem da Fifa declarou estar satisfeita com as decisões tomadas pelos árbitros no empate por 1 a 1 entre Brasil e Suíça, mas reconheceu que o uso da tecnologia não vai acabar com as polêmicas e a subjetividade das marcações dos juízes.

"O lance do Miranda foi muito claro. E não estou justificando o resultado com isso. O lance do pênalti é passivo de interpretação. Mas o primeiro, não", reclamou o técnico Tite após o confronto em Rostov, mais um com decisões polêmicas da arbitragem na estreia do Brasil em Copas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.