Brasil vence a Suécia com gol do estreante Alexandre Pato

Atacante do Milan mostra que tem 'estrela' e garante triunfo do time do técnico Dunga; 'olímpicos' são testados

Alan Rafael Villaverde, estadao.com.br

26 de março de 2008 | 18h38

Em 58, o mundo conhecia o Rei Pelé, que, juntamente com um elenco memorável, levou o Brasil à conquista de sua primeira Copa do Mundo, na Suécia, tendo na final, disputada no dia 29 de junho, os anfitriões como adversários. Quase cinqüenta anos depois, a seleção brasileira vive a expectativa do florescer de um novo craque: Alexandre Pato, que estreou da melhor forma possível, fazendo o gol da vitória brasileira por 1 a 0 diante dos suecos, em partida amistosa disputada em Londres.  Veja também:  Elogiado por Dunga, Alexandre Pato dedica gol à namorada Ouça o gol de Alexandre PatoAlém de comemorar a vitória diante da rival histórica, o técnico da seleção brasileira, Dunga, aproveitou o momento para analisar alguns jogadores que deverão compor a base da seleção olímpica, que buscará a medalha de ouro inédita, em Pequim. Apesar de ter começado apenas com Diego no time titular, o treinador colocou Thiago Neves, Rafinha, Alexandre Pato, Hernanes, Anderson e Marcelo. O objetivo deste amistoso, no entanto, era entrosar a base que disputa as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010.E, sem novidades, a não ser pela ausência de Kaká, machucado, o Brasil deparou-se com uma Suécia marcando com duas linhas de quatro, dificultando a armação de jogadas, que era de responsabilidade de Diego e Júlio Baptista. Único titular a ter idade olímpica, Diego mostrou estar disposto a provar ao técnico Dunga que merece estar em Pequim. Mesmo sem o entrosamento ideal com os companheiros, o meia do Werder Bremen, da Alemanha, foi o atleta brasileiro mais efetivo da primeira etapa, mas seus chutes não foram bons. Brasil1Júlio César; Daniel Alves (Rafinha), Lúcio, Alex e Richarlyson (Marcelo); Gilberto Silva, Josué (Hernanes), Diego (Thiago Neves) e Júlio Baptista (Anderson); Robinho e Luís Fabiano (Alexandre Pato) Técnico: Dunga Suécia0Isaksson (Shabban); Stoor, Mellberg    , Majstorovic e Nilsson (Dorsin); Larsson (Alexandersson); Svensson (Allbäck); Källström e Ljunberg (Wilhelmsson); Elmander (Bakirciouglu) e RosenbergTécnico: Lars LagerbäckGols: Alexandre Pato, aos 27 minutos do segundo tempoÁrbitro: Mike Riley (ING)Renda: não disponívelPúblico: não disponívelEstádio: Emirates Stadium, em Londres, InglaterraO ápice do primeiro tempo aconteceu entre os 24.º e 31.º minutos, sendo que o primeiro bom lance do jogo foi da Suécia, especificamente com Rosenberg, que ficou na cara do goleiro Júlio César, mas chutou para fora. A resposta brasileira veio no lance seguinte, com Júlio Baptista, mas o jogador foi pressionado e errou na conclusão. O meia do Real Madrid, no entanto, tentou a redenção aos 29, numa boa cobrança de falta. A bola, no entanto, ganhou velocidade e foi para fora. Com duas novidades para o segundo tempo, a Suécia assustou o Brasil nos primeiros minutos, mas não conseguia criar uma chance real para exigir uma boa defesa do goleiro Júlio César - outro que luta para estar entre os três jogadores, acima dos 23 anos, para estar em Pequim. Ao ver que algo precisava ser feito - além de ouvir os gritos da torcida pedindo Alexandre Pato -, Dunga colocou o jovem atacante do Milan.Sua entrada surtiu efeito pelo lado direito e, aos 19, Pato tocou para a entrada de Diego, que foi derrubado dentro da área, mas o árbitro mandou o lance seguir para a indignação da torcida presente ao estádio utilizado pelo Arsenal. A estrela de Pato, no entanto, estava longe de ser apagada. Aos 27 minutos, o jogador contou com o erro do goleiro Shabban, que chutou a bola em suas pernas. De forma inteligente, Alexandre Pato deu um bonito toque, da lateral direita, e encobriu o goleiro para marcar o gol da vitória brasileira.GRUPO DE ELITEAo marcar o gol para garantir a vitória do Brasil, Alexandre Pato entrou para um seleto grupo de jogadores que estrearam na seleção brasileira com gol; o garoto, que começou sua carreira no Internacional, entra para o hall formado por Pelé, Zico, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho. Destes, apenas Zico não foi campeão do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.