Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Brasil volta ao Mineirão para superar trauma de jogar semifinal em estádio

Jogo com a Argentina na próxima terça-feira vale vaga em uma final, a exemplo do fatídico 7 a 1

Ciro Campos, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2019 | 11h00

O Brasil presente em uma semifinal no Mineirão por um torneio oficial importante. O cenário faz lembrar a fatídica derrota por 7 a 1 para a Alemanha, na Copa de 2014, e é também a circunstância da próxima partida do time. Na terça-feira, na capital mineira, o adversário da vez será a Argentina, pela Copa América, uma oportunidade para reescrever no estádio um novo capítulo e conseguir a vaga na decisão.

A seleção brasileira reencontra na terça o adversário mais tradicional e dentro do palco do maior fiasco da história disposto a chegar à primeira decisão sob o comando do técnico Tite. Em três anos no cargo foram 39 partidas, apenas uma derrota em partidas oficiais (para a Bélgica, na Copa do Mundo), e um retrospecto que pode até sugerir favoritismo para a seleção brasileira.

Presente na Copa de 2014, o lateral Daniel Alves descarta existir no grupo um temor em voltar a jogar uma semifinal no Mineirão. "São coisas diferentes. Uma foi na Copa do Mundo, e agora é uma Copa América. É a oportunidade de poder voltar a uma final do torneio, algo que não acontece há muito tempo. Temos que estar bastante fortes, voltar a trabalhar muito, correr bastante", disse o atual capitão do time.

Curiosamente, depois do 7 a 1 o Brasil voltou ao Mineirão para disputar uma partida em novembro de 2016 e foi justamente contra a Argentina. Pelas Eliminatórias, a seleção brasileira teve grande atuação ao ganhar por 3 a 0, gols de Philippe Coutinho, Neymar e Paulinho. O local da partida, inclusive, foi um pedido de Tite para tentar amenizar a lembrança tão triste do último jogo realizado em Belo Horizonte.

Os jogadores do elenco atual, assim como Daniel Alves, não querem fazer comparações entre as semifinais da Copa América de 2019 e a da Copa do Mundo de 2014. "As coisas que passaram, não podemos mudar. Não pensamos muito nisso. Queremos é trabalhar a cada jogo para conseguir nossos objetivos", afirmou Coutinho, autor de dois gols nesta Copa América.

Mas nem todas as memórias de semifinais no Mineirão são negativas. Pela Copa das Confederações de 2013, o Brasil bateu outro rival sul-americano para ir à final contra a Espanha. Com gols de Fred e Paulinho, a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari bateu o Uruguai por 2 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.