Arquivo/AE
Seleção brasileira campeã do mundo em 2002 Arquivo/AE

Brasil x Alemanha: o que mudou nas seleções após 18 anos da final da Copa

Decisão da Copa do Mundo no Japão vai passar na TV e faz torcedor lembrar de time histórico

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 04h30

Brasil e Alemanha será a principal atração esportiva na TV Globo no domingo de Páscoa e fará muitos torcedores lembrarem com saudade de uma seleção brasileira que encantava. O jogo que decidiu a Copa do Mundo de 2002 será transmitido a partir das 16h, o horário tradicional do futebol ao vivo na emissora. Saudosismo à parte, o fato é que 18 anos depois muita coisa mudou nas duas seleções. 

Falar em Brasil x Alemanha é dividir sentimentos. Há muitos que lembram com saudade da partida em Ronaldo superou Oliver Kahn. Mas é impossível não pensar também de 2014 e do histórico 7 x 1, algo que ajuda a mostrar o que aconteceu com as duas equipes ao longos desse período. Muitos dos telespectadores que vão assistir ao jogo não viram a disputa de 2002, por serem jovens. 

Todos os jogadores da decisão que aconteceu em Yokohama já se aposentaram e a maioria segue no futebol, como dirigente ou treinador. Junto com a história deles no gramado, ficou o momento das dois times. Entenda o que aconteceu com Brasil e Alemanha nos últimos 18 anos e saiba por onde andam os atletas daquela final.

Seleção brasileira

  • Quem imaginou que 2002 daria início a uma fase de ouro do futebol brasileiro se enganou. Quatro anos depois, a seleção comandada por Carlos Alberto Parreira era um timaço no papel. Só no papel. A equipe que tinha, entre outros, Cafu, Roberto Carlos, Ronaldinho, Kaká, Adriano e Ronaldo foi uma decepção na Alemanha. Chegou badalada e saiu derrotada. Nas quartas de final, caiu diante da França de Zidane e Henry. 
  • A Copa de 2010 também não deixou muita saudade e a de 2014, então, nem se fala. Na África do Sul, o time de Dunga fez boas e más partidas. Perdeu para a Holanda, quando Felipe Melo, hoje no Palmeiras, foi expulso. A expectativa de ver o Brasil jogando em casa, em 2014, se tornou um pesadelo com a histórica da derrota para a Alemanha, que acabou ficando com o título diante da Argentina na final. Quatro anos depois, mais uma vez o Brasil deixou o Mundial pela porta dos fundos, após uma derrota para a Bélgica na Rússia. De 2002 para cá, portanto, a seleção desceu ladeira. 
  • Nesses 18 anos, sem dúvida o grande nome do futebol brasileiro foi Neymar. O atacante tinha apenas 10 anos em 2002 e conseguiu ver o que Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho e companhia fizeram diante dos alemães e tentou fazer igual. Não deu. Seu auge na seleção foi a conquista da medalha de ouro na Olimpíada do Rio. Na Copa de 2014, sofreu grave lesão. E não conseguiu fazer o que dele se esperava em 2018.
  • O Brasil tem apenas três títulos de Copa América neste período - 2004, 2007 e 2019 e uma inédita medalha de ouro na Olimpíada de 2016, no Rio. O Brasil não perdeu seu prestígio, mas não assusta como antigamente. 

Seleção alemã

  • A derrota para o Brasil foi um marco no futebol alemão. De lá para cá, os germânicos cresceram sob o ponto de vista técnico e físico e durante muitos anos neste período, foram citados como referência de organização e de bom futebol. 
  • A Alemanha ficou em terceiro lugar nas Copas de 2006 e 2010. Faltava algo para chegar ao título, que enfim foi conquistado em 2014 e com doses de crueldade para os brasileiros. O 7 x 1 no Brasil já foi quase um título. A taça veio sobre a Argentina, outro rival histórico. Não tinha como a conquista ser mais perfeita para os alemães. 
  • Neste período, surgiram vários jogadores que enchiam os olhos dos torcedores, como Ozil, Lahm, Kroos, Gotze, Muller e o goleador Klose. Além da Copa de 2014, a Alemanha ainda faturou uma Copa das Confederações de 2017, a medalha de prata na Olimpíada de 2016 e o vice na Eurocopa de 2008. 
  • Mas assim como o Brasil em 2002, a Alemanha não soube aproveitar a boa fase. Também se perdeu após a conquista do Mundial de 2014. Em 2017, ganhou a Copa das Confederações e chegou ainda mais favorita para 2018, na Rússia, Mas conseguiu a proeza de não passar nem da primeira fase em um grupo que tinha México, Suécia e Coreia do Sul. Deixou a competição com uma vitória e duas derrotas. Hoje, a equipe comandada por Joaquim Löw, o mesmo do título de 2014 e do vexame de 2018, passa por uma reformulação. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Veja por onde andam os jogadores da final de 2002

A maioria dos atletas que estavam em campo na conquista do pentacampeonato mundial continuam ligados ao futebol

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 04h29

Há 18 anos, Brasil e Alemanha fizeram a final da Copa do Mundo de 2002, que foi disputada no Japão e Coreia do Sul. Os comandados de Luiz Felipe Scolari venceram a partida por 2 a 0 e conquistaram o pentacampeonato mundial. Quase 20 anos depois, muita coisa mudou nas duas seleções e também para os jogadores que fizeram parte daquele histórico jogo. Todos os atletas da decisão que ocorreu em Yokohama se aposentaram. O Estado destaca o que cada um tem feito no momento. A maioria segue no futebol. 

SELEÇÃO BRASILEIRA

  • Marcos – aposentado – 46 anos - presidente da marca de cervejas artesanais: “Cerveja 12”.
  • Lúcio – aposentado - 41 anos - anunciou aposentadoria em janeiro de 2020, após defender a camisa do Brasiliense. 
  • Edmílson – aposentado - 43 anos - Atualmente é "Embaixador Mundial das escolas do FC Barcelona", embaixador da Fundação Barcelona e atleta do FCB Legends; Atua como palestrante motivacional; Intermediário e Gestor de Carreira de jogadores no Brasil e no exterior. Presidente do FC SKY Brasil.
  • Roque Júnior – aposentado – 43 anos - diretor de futebol da Ferroviária
  • Cafu – aposentado – 49 anos - embaixador da FIFA e da UEFA, recentemente teve que encerrar as ações de ONG Fundação Cafu.
  • Gilberto Silva – aposentado – 43 anos - consultor de futebol, Uefa MIP, diretor de futebol do Painathinaikos.
  • Kléberson – aposentado - 40 anos - Faz o curso FIFA USSF Licença A Sênior para treinador de futebol nos Estados Unidos.
  • Roberto Carlos – aposentado – 46 anos - gestor de marketing Real Madrid
  • Ronaldinho Gaúcho – aposentado – 40 anos - Embaixador do turismo no Brasil, preso no Paraguai por portar e utilizar passaporte e documento de identidade falsos.
  • Rivaldo – aposentado – 47 anos - integrante da equipe de lendas do Barcelona e treinador do Chabab Mohammedia, do Marrocos.
  • Ronaldo Fenômeno – aposentado – 43 anos - empresário e presidente do Real Valladolid, da Espanha.
  • Juninho Paulista – aposentado – 47 anos - Coordenador da seleção brasileira.
  • Denílson – aposentado - 42 anos -  comentarista e apresentador do Jogo Aberto, da Bandeirantes.

SELEÇÃO ALEMÃ

  • Oliver Kahn – aposentado – 50 anos – Membro do Conselho Administrativo do Bayern de Munique
  • Thomas Linke – aposentado – 50 anos – Diretor de Futebol – Último clube: FC Ingolstadt 04
  • Carsten Ramelow – aposentado – 46 anos – Vice-presidente do Vdv (Vereinigung der Vertragsfußballspieler) 
  • Christoph Metzelder – aposentado – 39 anos – Treinador do TuS Haltern
  • Torsten Frings – aposentado – 43 anos – Treinador – Último clube: Werder Bremen
  • Dietmar Hamann – aposentado – 46 anos – Treinador – Último clube: Stockport
  • Jens Jeremies – aposentado – 46 anos – Agente de jogadores na empresa T21plus
  • Marco Bode – aposentado – 50 anos – Presidente do Conselho Fiscal do Werder Bremen
  • Bernd Schneider – aposentado – 46 anos – Agente de futebol na empresa SMG GmbH
  • Oliver Neuville – aposentado – 46 anos – Treinador Adjunto do M'gladbach sub-19
  • Miroslav Klose – aposentado – 41 anos – Treinador da categoria de base sub-17 do Bayern de Munique
  • Oliver Bierhoff – aposentado – 51 anos – Diretor-esportivo da seleção alemã
  • Gerald Asamoah - 41 anos - Treinador da equipe número 2 do Schalke 04
  • Christian Ziege - 48 anos - Treinador do Saalfelden, da Terceira Liga da Áustria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Saiba onde assistir a final da Copa do Mundo de 2002

Após 18 anos, jogo será transmitido novamente na TV para todo o País

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 04h29

Sem jogos ao vivo, em razão do coronavírus, o jeito é apostar em jogos históricos para quem é apaixonado por futebol. Alemanha x Brasil (ordem das seleções seguida pela Fifa), decisão da Copa do Mundo de 2002, em Yokohama, no Japão, é um desses duelos marcantes e será a principal atração esportiva da TV Globo neste domingo de Páscoa, às 16h. Será a primeira vez, em 18 anos, que a emissora irá transmitir a decisão na íntegra.

Antes da bola rola, haverá um pré-jogo inédito de 15 minutos, com a participação de Cléber Machado, Galvão Bueno, Casagrande e personagens que marcaram a conquista do pentacampeonato mundial. Depois do jogo, que terminou com a vitória brasileira por 2 a 0, a emissora ainda vai mostrar parte da festa e a histórica chegada dos jogadores ao Brasil.

 A partida é histórica por sera primeira vez que duas das maiores tradições do futebol mundial se enfrentavam em uma final de Copa. Além disso, o time comandado por Luiz Felipe Scolari fazia um bom Mundial, com 100% de aproveitamento em seis jogos e tendo craques como Ronaldo, Ronaldinho e Rivaldo. Ronaldo, inclusive, se recuperou de uma grave lesão no joelho direito pouco tempo antes do Mundial.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.