Brasil x Argentina: Gil vai cantar Hino

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, vai cantar o Hino Nacional Brasileiro no estádio do Mineirão, dia 2 de junho, antes da partida entre Brasil e Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Ele foi convidado na semana passada pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e aceitou. E vai dividir a honra com um cantor e compositor mineiro, Milton Nascimento. A partida entre Brasil e Argentina, aliás, poderá ter a presença do presidente da Fifa, Joseph Blatter. O dirigente suíço foi convidado para ir ao Mineirão pelo governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSBD). Aécio foi um dos políticos brasileiros convidados pela Fifa para a festa dos 100 anos da entidade, que teve como ponto alto a partida disputada nesta quinta-feira entre a seleção brasileira e a francesa. Além dele, estiveram no Stade de France o ministro do Esporte, Agnelo Queiroz, o senador cearense Tasso Jereissatti (PSBD), a senadora maranhense Roseana Sarney (PFL) e a modelo Luiza Brunet, entre outras personalidades. O ministro Gilberto Gil, que esteve em Cannes por causa do festival de cinema e está em Paris, também foi ao Stade de France."Em 1998 eu estava na tribuna e quando o time deixou de subir para fazer o aquecimento, já com os rumores sobre o mal-súbito do Ronaldo, eu me regelei emocionalmente. Antevi o desastre??, recordou. "E foi o que se viu.?? Quem também compareceu ao Stade de France nesta quinta-feira foi o escritor Luis Fernando Veríssimo. Ele foi outro que assistiu das tribunas, em 1998, à derrota do Brasil para a França por 3 a 0. "Eu estou de férias na França há mais de um ano e, quando soube do jogo, me interessei em assisti-lo??, revelou. Para o escritor, depois de seis anos do final da Copa da França não se poderia mesmo considerar o jogo desta quinta-feira como uma revanche. "Sempre fica a lembrança daquele estranho jogo, mas não é bem uma revanche. É um jogo amistoso. Claro que o Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, que jogou aqui em Paris e não foi tão bem, vai querer se sair bem??, analisou o escritor, antes da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.