Brasil x França: o "jogo de século"

Jogo do século, duelo de estrelas, o confronto (ou tira-teima) dos dois últimos campeões mundiais, jogo da vingança, a grande revanche. Definições não faltam para ilustrar a importância da partida desta quinta-feira entre França e Brasil, nas comemorações dos 100 anos da Fifa, a entidade que comanda o futebol mundial. As duas seleções, aliás, são as primeiras colocadas no ranking da entidade, Brasil à frente, e uma vitória francesa deve inverter as posições. Mas o encontro das 16 horas de Brasília (com transmissão pela TV Globo) no mesmo Stade de France em que em 12 de julho de 1998 osbrasileiros sucumbiram diante dos franceses com a derrota por 3 a 0 numa final que a precedê-la teve uma até hoje misteriosaconvulsão de Ronaldo, tem outras motivações. O Brasil, por exemplo, antes de pensar em vingança pelo que aconteceu há quase seis anos, pretende aproveitar o jogo parapreparar a equipe para o jogo do dia 2 de junho contra a Argentina, pelas Eliminatórias, que no momento é o que realmente interessa (e a partida contra o Chile, dia 6, também). A França vai utilizar o amistoso como preparação para a Eurocopa, no próximo mês, em Portugal ? estréia contra a Inglaterra. E a centenária Fifa só pensa na festa. Tanto que convidou milhares de pessoas no mundo inteiro, que certamente ajudarão a preencher os 85 mil lugares do estádio ? desde o início da semana não há mais ingressos disponíveis, mas a entidade não divulgou oficialmente quantos foram vendidos e quantos foram entregues aconvidados. Em campo estarão estrelas de primeira categoria do futebol mundial como os brasileiros Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e Kaká,que formam o trio de ouro, entre outros. Mas a França também tem seus craques, como Zidane e Thierry Henry. ?Não é querer forçar a barra chamar este jogo de ?jogo do século?. Ele marca os 100 anos da Fifa, reúne os dois últimos campeões mundiais, então tem importância. O mundo inteiro vai tomar conhecimento?, disse o técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira sobre a partida que será transmitida para mais de 130 países, segundo a Fifa. ?Mas o importante é que a seleção faça um bom jogo e temos de pensar na vitória.? Parreira, porém, teve problemas para escalar a equipe. Os zagueiros Roque Júnior, com dores na panturrilha, e Juan, com estiramento muscular na coxa esquerda, foram vetados. Os dois vão passar por reavalição nos próximos dias, embora nesta quarta-feira pela manhã o médico da seleção, José Luís Runco, tivesse dito que Juan seria liberado do jogo desta quinta e do contra a seleção da Catalunha, dia 25. Assim, a zaga terá Luisão e Cris, o último a ser convocado e que vem jogando futebol protegido por um efeito suspensivo dasuspensão de 9 meses que lhe foi imposta por ter brigado com o goleiro Eduardo no clássico entre Cruzeiro e Atlético que decidiu o Campeonato Mineiro. Luisão, do Benfica, mas pretendido pelo Real Madrid, espera ajudar a zaga brasileira a anular Henry e Trezeguet, para se firmarna seleção. ?Esse é o meu objetivo. E jogar uma partida dessas é uma oportunidade que não se pode desperdiçar.? No meio-campo, ZéRoberto, também com dores musculares, só terá sua escalação definida nesta quinta. Se não puder jogar, entra Edu, o volante do Arsenal inglês. No ataque, Ronaldo, após ficar fora da goleada por 4 a 1 sobre a Hungria, volta à seleção e recompõe o trio de ouro comKaká e Ronaldinho Gaúcho. ?Esse trio tem dado o que falar, mas é só o início. A gente tem de mostrar o que é capaz de fazer?, afirmou o Fenômeno, que tem um plano para esta tarde: ?Pretendo dar uma ?caneta? no Zidane (seu companheiro de Real Madrid. E sei que, se ele tiver chance, vai querer dar uma em mim.? Mas Parreira prefere que não aconteçam brincadeiras contra uma seleção francesa, que, considera, é ainda melhor que a de 1998. ?Está mais experiente e tem ataque, que era o que faltava para eles. Agora estão com um poder ofensivo bem melhor.? Em 1998, a França tinha o inoperante Guivarch como atacante. Hoje conta com Henry e o bem mais experiente Trezeguet. O técnico também tem reiterado que não quer saber de vingança pela derrota no Mundial de seis anos atrás, algo com que Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e Kaká concordaram com ele. Para ele o importante é que a seleção continue se preocupando em ?treinar jogando?, maneira possível no momento de melhorar o entrosamento da equipe. Após a partida desta quinta, vários jogadores serão dispensados até segunda-feira: Ronaldo, Roberto Carlos, Ronaldinho Gaúcho,Júlio Baptista e Belletti, que atuam no futebol espanhol; Zé Roberto e talvez o contundido Juan, que estão na Alemanha; além de Juninho Pernambucano e Edmílson, que disputam o Campeonato Francês. Os outros seguem sexta-feira com a seleção paraBarcelona, onde na terça-feira o Brasil joga amistoso com a seleção da Catalunha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.