Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

Brasileirão ganha força em ano de Copa do Mundo e atrai patrocinadores

Competição nacional já soma sete parceiros oficiais, além de outras marcas, que atuam em placas de publicidade, ativações pontuais e ações digitais

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2022 | 20h00

O ano de Copa do Mundo, de fato, provou ser um período importante para a Confederação Brasileira de Futebol agregar ainda mais valor aos seus "produtos". Depois de atingir o expressivo número de 110% no aumento de patrocínio da seleção brasileira, a entidade anunciou recentemente mais integrantes para o seu "casting" de parceiros do Campeonato Brasileiro. Com a chegada da casa de apostas galera.bet, da Binance, corretora de criptomoedas, e da GiroAgro, empresa do ramo de fertilizantes, a competição soma sete patrocinadores oficiais.

Os investidores, inclusive, vão além. Existem várias outras marcas que investem no torneio das mais diversas formas: como em placas de publicidade, ativações pontuais e ações digitais. 

Para Bruno Maia, especialista em inovação no esporte, CEO da Feel The Match e autor do livro Inovação é o Novo Marketing, além do impulsionamento dado pela Copa do Mundo do Catar, os últimos anos também apresentam uma tendência de crescimento nos valores introduzidos no futebol brasileiro. "A Copa do Mundo por si só já traz um aumento natural no interesse das empresas em patrocinar eventos relacionados ao futebol. De toda forma, é perceptível o crescimento dos valores dos patrocínios nos últimos anos. No Campeonato Brasileiro e no futebol nacional como um todo", analisou.

Outra possibilidade atraente que o Campeonato Brasileiro oferece às empresas é a chance de mostrar "brasilidade", fator que gera identificação com o público, especialmente em uma temporada onde a busca pelo hexacampeonato mundial estará em alta. Essa, inclusive, foi a linha seguida pelo galera.bet, que ao anunciar seu contrato com o Brasileirão pelos próximos três anos, fez questão de ligar as raízes do futebol brasileiro com as da instituição. 

"O galera.bet é uma marca criada exclusivamente para o mercado brasileiro. Não à toa, levamos as cores do Brasil. Por isso, estamos muito felizes de, agora, fazermos parte do Campeonato Brasileiro. O Brasileirão Assaí fala muito sobre o brasileiro, sua paixão, seus rituais e, também, sobre a nossa empresa", disse Asher Yonaci, CEO do site de apostas esportivas.

A mesma linha foi seguida pela GIROAgro, que, mesmo vindo de um nicho bem diferente do esportivo, também enxerga na parceria a oportunidade de estreitar laços com o povo brasileiro. "Para nós é uma alegria imensa ter a GIROAgro patrocinando o Campeonato Brasileiro. É bastante significativo, porque temos orgulho em ser 100% brasileiros e se trata de um esporte que é a maior paixão nacional", projetou o CEO da GIROAgro, Leonardo Sodré.

"É um campeonato de um nível técnico elevado, muitos atletas de destaque jogando e uma competitividade enorme. Sempre chegam vários clubes na briga pelo título, o que torna a disputa ainda mais interessante. Ter a GIROAgro em um campeonato desse porte é incrível", acrescentou. Os valores das negociações não são revelados. Sabe-se, no entanto, que a CBF bateu seu recorde de faturamento no ano passado, que foi de R$ 971 milhões, quase 47% de aumento em relação a 2020. Seu lucro foi de R$ 68 milhões.

"Acreditamos que cada cliente possui conceitos próprios ao usar o esporte para atingir seus objetivos institucionais. Usar a exposição da marca e a utilização das mídias sociais junto às ações de experiências customizadas para o público alvo é uma estratégia muito forte e que cabe em qualquer segmento", afirma Renê Salviano, CEO da agência de marketing esportivo Heatmap, empresa que faz a captação de patrocínios junto aos clubes, entidades e atletas.

MÍDIAS DIGITAIS

Nas redes sociais, o Campeonato Brasileiro possui mais de 2,8 milhões de seguidores no Instagram, mais 1 milhão no Twitter e supera os 250 mil no Facebook. Se comparado com os números de seguidores com todos os clubes brasileiros, o perfil da competição no Instagram fica atrás apenas de Flamengo, Corinthians, São Paulo e Palmeiras.

Combinando as quatro principais redes sociais, o Brasileirão é a oitava liga/federação esportiva com maior audiência no mundo, perdendo apenas para outras gigantes do meio, como Premier League (683 milhões), LaLiga (653 milhões), NFL (268 milhões), Série A da Itália (205 milhões) e NBA (178 milhões). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.