FELIPE RAU/ESTADÃO
Atirador de elite posicionado no refletor do Morumbi durante a partida entre São Paulo e Flamengo FELIPE RAU/ESTADÃO

Brasileirão vira teste de segurança para a Copa América

Policiais estão usando jogos de clubes para ensaiar ações que serão adotadas no torneio, como veto a torcedores violentos e apreensão de drogas

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2019 | 04h30

Sem que os torcedores tenham percebido, partidas do Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores estão sendo utilizadas para a realização de testes de segurança e mobilidade para a Copa América. A atuação dos policiais já resultou na apreensão de drogas e na proibição da entrada de torcedores nos estádios e vai continuar até o dia 9 de junho nas seis arenas da competição no País: Arena Corinthians, Arena do Grêmio, Fonte Nova, Maracanã, Mineirão e Morumbi.

Na partida entre São Paulo e Flamengo, na terceira rodada do Brasileirão, por exemplo, atiradores de elite foram posicionados nos refletores do Morumbi e policiais à paisana circularam durante o jogo pelo estádio. O Morumbi receberá a abertura da Copa América no dia 14 de junho, entre Brasil e Bolívia, e a preocupação dos policiais é com o posicionamento dos snipers que fazem a segurança do presidente da República, Jair Bolsonaro. A previsão é de que Bolsonaro e o governador João Doria assistam a partida nos camarotes do Morumbi ao lado de chefes de Estado e autoridades da Fifa e também da Conmebol.

Na quarta rodada do Brasileiro, no jogo entre Corinthians e Grêmio, em Itaquera, as autoridades fizeram testes no programa de reconhecimento facial para identificar torcedores impedidos de entrar nos estádios. A Copa América será o primeiro evento no Brasil a contar com essa tecnologia.

O mesmo ensaio foi feito na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, durante a partida contra o Rosário Central, pela Libertadores, em abril. Três argentinos que estavam impedidos pela Justiça do país vizinho de frequentar estádios acabaram identificados. Os barras-bravas foram levados à delegacia e não puderam assistir ao jogo.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, baixou portaria na semana passada que determina o impedimento da entrada no Brasil de torcedores violentos durante o período da Copa América – de 14 de julho a 7 de julho. Uma lista de estrangeiros com histórico de brigas no futebol será distribuída em postos da Polícia Federal nos aeroportos e rodovias. Aqueles que tentarem entrar no Brasil serão barrados.

Ainda como parte dos testes para a Copa América, um posto do IGP (Instituto Geral de Perícias) de Porto Alegre foi montado na Arena do Grêmio em três jogos do clube: contra Rosário Central e Universidad Católica, pela Libertadores, e diante do Internacional, pelo Campeonato Gaúcho. Testes feitos por peritos e papiloscopistas do IGP detectaram maconha e cocaína no local e 14 pessoas foram identificadas por meio de exames das impressões digitais.

Na próxima semana, o Ministério da Justiça e Segurança Pública vai promover na Bahia encontro com representantes de Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo para alinhar protocolos de segurança que serão adotados durante a Copa América.

O torneio terá 26 jogos em seis estádios de cinco capitais. As partidas serão realizadas entre 14 de junho (abertura em São Paulo) e 7 de julho (final no Rio). A decisão será no Maracanã. Doze times disputarão o torneio. Catar e Japão, campeão e vice da Ásia, respectivamente, participarão como convidados.

De acordo com o Comitê Organizador Local, mais de 450 mil ingressos já foram vendidos para torcedores de 106 países. A delegação que mais preocupa é a da seleção do Catar e haverá reforço na segurança, com policiais do esquadrão antibomba nos aeroportos, hotéis, centros de treinamento e estádios por onde os árabes passarão. “Até o momento, nosso departamento de inteligência fez alguns levantamentos e pesquisas e ainda não temos nada que possa indicar vulnerabilidade ou risco para a seleção do Catar”, diz César Saad, delegado de polícia responsável pela segurança da Copa América em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa América de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Porto Alegre se prepara para ‘invasão argentina’ na Copa América

Capital gaúcha espera 20 mil torcedores do país vizinho para jogo contra o Catar, dia 23 de junho, na Arena do Grêmio

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2019 | 04h31

Levantamento feito pelas autoridades revela que mais de 6 mil argentinos já estão com reservas confirmadas em hotéis de Porto Alegre para o período da Copa América. Como muitos torcedores ficarão hospedados em residências de amigos e familiares e até em motorhomes, a estimativa é de que 20 mil argentinos “invadam” a capital gaúcha. Por isso, o policiamento será reforçado na fronteira do Rio Grande do Sul com o país vizinho e a partida Argentina x Catar, dia 23 de junho, na Arena do Grêmio, coloca as autoridades do Estado em alerta.

“Já estamos trabalhando fortemente nessa questão. Nossa geografia nos traz alguns desafios por causa da fronteira com Uruguai e Argentina, o que acaba estimulando a entrada de torcedores desses países no Brasil. Assim, vamos fazer um monitoramento mais detalhado”, explica o delegado Leonel Carivali, coordenador do Escritório da Copa América montado pela Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul. O órgão conta com dez profissionais responsáveis pelo planejamento operacional do torneio.

Outro jogo que tem merecido atenção especial das forças de segurança é Uruguai x Japão, dia 20 de junho. Porto Alegre vai receber cinco partidas da Copa América. Se o Brasil se classificar na liderança do Grupo A, disputará as quartas de final na cidade. Cada jogo deverá ter mais de mil homens na segurança, de acordo com Carivali. Para efeito de comparação, em São Paulo serão destacados 800 policiais por partida. Para ajudar no esquema de segurança, 500 agentes baseados no interior gaúcho deverão ser transferidos para Porto Alegre durante o torneio.

No próximo dia 9, a seleção brasileira disputa no estádio Beira-Rio amistoso contra Honduras. Será o último jogo do time de Tite antes da estreia na Copa América. “Aproveitaremos essa partida para mobilizar todo o aparato de segurança como preparativo final para a Copa América”, diz Carivali.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa América de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.