Brasileiro: 1ª rodada pode ser adiada

A primeira rodada do Campeonato Brasileiro da Série A, marcada para os dias 29 e 30 dia de março, está seriamente ameaçada. Tudo por causa da revolta causada junto aos oito clubes que não participam do Clube dos 13 e que ameaçam não entrar em campo caso não recebam mais dinheiro referente aos direitos de transmissão de televisão. Os dirigentes dos oito times ameaçam entrar na Justiça Comum para garantir uma cota considerada justa. A nova rodada de negociação será tratada na próxima quarta-feira diretamente com a direção da Rede Globo. O cancelamento da rodada daria aos clubes tempo para a negociação e para se fechar um acordo. Os jogos dos oito clubes "relegados" estão relacionados dentro da programação da emissora. Outro dado reforça a tese do provável acordo: 56% dos jogos do Brasileirão envolvem os times excluídos. Além de Ponte Preta e Figueirense, que encabeçam o movimento chamado de G-8 (Grupo dos 8) participam do movimento o São Caetano, Paysandu, Fortaleza, Juventude, Paraná e Criciúma. Em tom de visível revolta, o presidente da Ponte Preta, Sérgio Carnielli, reuniu a imprensa no final da tarde desta sexta-feira, no Majestoso, para expressar o seu descontentamento. "O pessoal do Clube dos 13 está nos enrolando para que depois a gente vá lá para aceitar uma esmola. Eles falam em migalhas. Isso não é correto e não vamos aceitar", argumentou o dirigente.Carnielli confirmou que o G-8 é recebido pela direção do Clube dos 13, porém nada de concreto é discutido. Reforçou ainda que se diz cansado da situação, mesmo porque não existe um valor exato que os clubes receberiam. Extra-oficialmente seria apenas R$ 2.497 mil, ou seja, quase R$ 250 mil por mês. Há, porém, até uma proposta que o dirigente considera "séria e honesta": R$ 5,5 milhões, sendo R$ 4,5 milhões em dinheiro e R$ 1 milhão referente a passagens aéreas e hospedagens. Mesmo este valor estaria abaixo do patamar "C" dos participantes do Clube dos 13, que vão receber perto de R$ 7 milhões. O "levante" do G-8, comenta-se nos bastidores, poderia ajudar a Rede Globo, que já teria interesse em não começar o campeonato no final do mês. Mas o dirigente da Ponte não acredita que seria um argumento para a eventual virada de mesa pretendida por Palmeiras, Botafogo e Portuguesa, rebaixados à Série B ano passado. Paulo Aldughi, represente da Ponte na negociação, admitiu que o clube foi sondado pelo SBT, mas que não seria correto iniciar qualquer tipo de negociação antes de tentar um acordo com a Globo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.