Reuters/Miguel Vidal Livepic
Reuters/Miguel Vidal Livepic

Brasileiro do Porto é expulso, Juventus vence fora de casa e encaminha vaga

Time de Turim se aproveita do vermelho de Alex Telles e marca duas vezes na etapa final

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2017 | 18h50

A Juventus colocou um pé nas quartas de final da Liga dos Campeões nesta quarta-feira, ao derrotar o Porto por 2 a 0 em pleno Estádio do Dragão. O time de Turim se aproveitou da expulsão do lateral brasileiro Alex Telles ainda no primeiro tempo e marcou duas vezes na etapa final para ficar em situação bastante confortável para o confronto de volta.

Mesmo sem ser brilhante, a Juventus pressionou o Porto e fez valer a vantagem numérica no segundo tempo. Com o resultado, poderá até ser derrotada por um gol de diferença quando receber o adversário português no dia 14 de março, em Turim, que garantirá a classificação.

A expulsão de Alex Telles ofuscou o confronto entre dois dos maiores goleiros dos últimos tempos. Vencedores da Copa do Mundo por suas seleções e multicampeões ao longo da carreira, Gianluigi Buffon e Iker Casillas estiveram novamente frente a frente nesta quarta. Mas pouco apareceram. Casillas fez apenas uma defesa no primeiro tempo e não teve culpa nos gols, enquanto Buffon foi beneficiado pela desvantagem numérica do adversário e praticamente não trabalhou.

Enquanto o confronto esteve em 11 contra 11 em campo, foi bastante morno. Com duas defesas bem postadas e ataques pouco criativos, nem Juventus nem Porto ameaçaram o gol adversário na primeira metade da etapa inicial. Só que aos 26 minutos, o ex-gremista Alex Telles, que havia acabado de receber cartão amarelo por entrada dura em Cuadrado, deu carrinho forte em Lichtsteiner e foi expulso.

Imediatamente o confronto mudou, e já na cobrança da falta a Juventus chegou pela primeira vez. Cuadrado foi acionado perto da meia-lua e bateu rente à trave direita de Casillas. Aos 38, o time de Turim assustou de novo. Alex Sandro cruzou para Higuaín, que bateu de primeira. A bola ia longe do gol, mas desviou em Felipe e tomou a direção da meta do goleiro espanhol, que mostrou reflexo para espalmar.

Mesmo sem brilho, a Juventus controlava a partida e levava perigo em oportunidades esporádicas. Como aos 45, quando Dybala recebeu com certa liberdade na intermediária e bateu forte, rasteiro, no pé da trave.

Depois do intervalo, o Porto voltou um pouco mais organizado e chegou a assustar aos dois minutos, em cabeçada de Herrera. Mas logo a Juventus retomou o controle da posse e voltou a arriscar de longe. Aos 14, Khedira foi quem tentou, jogando rente à trave direita.

O cansaço começava a tomar conta do Porto, e a Juventus cresceu. Higuaín, aos 20, arriscou da entrada da área e assustou. Até que aos 26, saiu o primeiro gol. Dybala tentou o passe pela direita, mas jogou no pé de Layun. O mexicano, que entrara justamente para suprir a ausência de Alex Telles na lateral esquerda, errou ao tentar afastar e apenas ajeitou para Marko Pjaca bater cruzado, sem chances para Casillas.

Imediatamente após o gol, Massimiliano Allegri lançou Daniel Alves a campo, e o brasileiro mostrou ter estrela. Em seu primeiro toque na bola, o lateral dominou belo cruzamento de Alex Sandro para depois bater de canhota e marcar um bonito gol. Sem reação, o Porto seguiu assistindo à Juventus, que ainda perdeu nova boa oportunidade com Higuaín nos acréscimos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.