Brasileiro já apavora cartolas corintianos

O Campeonato Brasileiro ainda nem começou e o Corinthians já está apavorado com a ameaça de rebaixamento. O alerta partiu do diretor técnico Roberto Rivellino, hoje, depois do treino da manhã, no Parque Ecológico do Tietê: "Pela qualidade dos times e pela forma de disputa (por pontos corridos, com quatro equipes rebaixadas) o Brasileiro é uma competição muito perigosa. Temos de nos reforçar para não correr riscos. O Corinthians vai ter de mudar a sua política de contratações." A declaração de Rivellino põe em xeque o trabalho de reformulação feito recentemente pela diretoria - e comandado por ele próprio. Na virada do ano o Corinthians decidiu reformular seu elenco e contratou 14 jogadores - incluindo Edson Pelé, que chegou no final do mês passado. O dirigente, no entanto, afirma que a diretoria não privilegiou a quantidade, sem se importar com a qualidade. Rivellino se defendeu, explicando que os dirigentes seguiram uma política de investimentos compatível com a situação financeira do clube. "Fomos obrigados a investir usando aquilo que o time tinha condição de pagar. E até que trouxemos bons jogadores, como Fábio Costa, Rincón, Rodrigo, Marcelo Ramos e o Adrianinho, que todo mundo queria. Mas, infelizmente, alguns estão tendo dificuldades para se adaptar. Além disso, vários jogadores se machucaram. Alguns até gravemente, como o Marcelo Ramos e o Rafael Silva. Agora, chegou o momento de repensarmos a nossa política de investimentos." Rivellino até já conversou com os dirigentes sobre isso. O presidente Alberto Dualib e seus vices, Antônio Roque Citadini e Andrés Sanches, também reconhecem que a situação dramática do time no Campeonato Paulista pode se transformar em um desastre completo no Brasileiro. O problema é que o clube está cheio de dívidas e não tem de onde tirar dinheiro para investir em grandes contratações. Rivellino sabe disso mas acha que a diretoria vai acabar arrumando dinheiro. "Eles (os dirigentes) estão conscientes da prioridade de correr atrás de dinheiro. A hora exige sacrifícios", acrescenta o diretor técnico. Assustado com o time - O técnico Oswaldo de Oliveira até já indicou alguns nomes. Em menos de um mês de trabalho ele ficou assustadíssimo com as deficiências do elenco. O treinador disse ainda que não vai aceitar reforços de qualidade discutível. Quer jogadores que resolvam o problema de imediato. Daí a razão de Rivellino dizer que o Corinthians precisa investir em ?medalhões?. Em entrevista coletiva Oswaldo tornou pública a sua preocupação com alguns jogadores que não estão conseguindo suportar a pressão de jogar no Corinthians. Chegou até a colocar alguns na ?geladeira?: Régis Pitbull, Adrianinho, Samir e Dinélson, além do lateral-esquerdo Julinho, que já havia sido afastado há três semanas. E sugeriu a contratação de jogadores com uma certa bagagem. Rivellino admitiu que Djalminha, do La Coruña, e França, do Bayer Leverkusen, são atletas que se encaixam no perfil do clube. Porém, não quis revelar se fazem parte da lista de Oswaldo de Oliveira. "São dois jogadores de peso mas até maio não será possível negociar porque eles ainda estarão em plena atividade por seus clubes na Europa. Depois, quem sabe." As declarações de Rivellino, admitindo o interesse do Corinthians por Djalminha, chegaram hoje mesmo à Espanha. O meia, que tem contrato até junho de 2005 com o La Coruña, ficou surpreso e animado com a hipótese de retornar ao País. "Seria ótimo voltar ao futebol brasileiro, especialmente jogando em um grande clube como o Corinthians, mas no momento acho improvável porque estamos no meio de um campeonato. No final da temporada talvez seja mais fácil negociar, principalmente se for para eu voltar para o Brasil." O alerta de Rivellino e a perspectiva de o time sofrer uma nova reformulação a partir de maio foram recebidas com um certo cuidado pela maioria dos jogadores. Mas o atacante Gil, um dos poucos que não se sentem ameaçados pelo desemprego, não concorda que esse seja o melhor caminho. "No ano passado o elenco tinha jogadores de nome e não deu certo. O Corinthians tem jogadores suficientes para formar uma boa equipe", diz. O atacante ainda lembrou que em 2003 o Corinthians desmanchou um time inteiro durante a temporada, contratou jogadores de nome e mesmo assim fracassou no Campeonato Brasileiro. "Quando esse time estiver completo, vai recuperar a confiança e ainda dará muitas alegrias à torcida", avisa o atacante.

Agencia Estado,

03 de março de 2004 | 20h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.