Nelson Almeida/AFP, Silvia Izquierdo/AP e Carla Carniel/Reuters
Nelson Almeida/AFP, Silvia Izquierdo/AP e Carla Carniel/Reuters

Brasileiros disputam artilharia da Libertadores e são superados por estrangeiros no Brasileirão

Rony, Rafael Navarro e Pedro estão no topo entre os goleadores da competição continental; Calleri e Cano lideram no torneio nacional

Uesley Durães, especial para o Estadão

08 de julho de 2022 | 20h00

A disputa pela artilharia ao compararmos Copa Libertadores da AméricaCampeonato Brasileiro apresenta um detalhe interessante nesta temporada. Os brasileiros brilham na competição continental e são superados pelos estrangeiros, por enquanto, no torneio nacional. 

Rony e Pedro se posicionaram ao lado de Rafael Navarro no topo da briga para ser o goleador máximo com sete gols após excelentes atuações na classificação de Palmeiras e Flamengo, respectivamente, às quartas de final da Libertadores.  

O flamenguista anotou quatro gols na vitória sobre o Tolima por 7 a 1, no Maracanã. Já Rony colocou mais dois na conta no triunfo sobre o Cerro Porteño por 5 a 0, no Allianz Parque.  

Coincidentemente, assim como Pedro, Navarro, também do Palmeiras, anotou quatro dos seus sete gols na mesma partida. Foi na vitória sobre o Independiente Petrolero, da Bolívia, por 8 a 1, em 12 de abril, pela fase de grupos. 

"O Abel perguntou no começo da temporada quantos gols eu tinha feito ano passado. Ele me falou que eu tinha de fazer mais gols esse ano e que as coisas iam acontecer naturalmente", afirmou Rony, que já tem 18 gols no ano contra 12 da temporada passada. 

Na vitória sobre o Cerro, ele ultrapassou ícones do futebol brasileiro em números de gols na competição continental, como Pelé e Zico. "Me sinto honrado", afirmou.

De forma geral, na Libertadores, o Brasil tem tradição na artilharia. Ano passado, por exemplo, Gabigol, do Flamengo, terminou como o goleador ao anotar 11 gols. O flamenguista já havia alcançado esta condição em 2019, ano em que foi campeão. Ao todo, 30 brasileiros já foram artilheiros da competição sul-americana.

Já no Brasileirão são os estrangeiros que estão na liderança pela artilharia. Calleri, do São Paulo, e Cano, pelo Fluminense, ambos argentinos, estão no topo com nove gols. 

Na história do torneio, apenas um estrangeiro terminou como goleador: foi Pedro Rocha, uruguaio que defendeu o São Paulo. Ele anotou 17 gols na edição de 1972, dividindo o posto com Dario, do Atlético-MG. Mesmo assim isso só foi oficializado em 2010, quando a CBF equiparou os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa ao Campeonato Brasileiro.

Ainda faltam 22 rodadas para o fim do Brasileirão e muda coisa pode mudar, mas, por outro lado, na Libertadores, já estamos nas quartas de final e tudo encaminha para termos mais uma vez um brasileiro como goleador máximo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.