Brasileiros do Real reclamam da torcida

Os jogadores brasileiros do Real Madrid criticaram as vaias da torcida e disseram que o time ?não vai a lugar nenhum? com essa pressão. Além disso, Ronaldo, Roberto Carlos, Júlio Baptista e Robinho, em protesto pelas acusações da imprensa espanhola, prometem não dar mais entrevistas este ano.No domingo, o Real foi vaiado pela sua torcida, no Estádio Santiago Bernabéu, durante o empate com o Osasuna, por 1 a 1, pelo Campeonato Espanhol. "Não se ganha nada com essa tensão. É preciso mudar essas vaias, porque assim não vamos a lugar algum", afirmou Júlio Baptista após o jogo.Ronaldo, falando ao Canal Plus, que transmitiu a partida de domingo, disse na saída de campo que a torcida reagiu "como sempre". E que "às vezes, o Real Madrid parece que joga fora de casa".As vaias da torcida, que têm ocorrido há pelo menos três rodadas do Campeonato Espanhol, eram anteriormente para técnico Vanderlei Luxemburgo. Mas, com a demissão dele no início do mês, sobrou agora para todos o time do Real. Racha - Ronaldo, Roberto Carlos, Júlio Baptista e Robinho têm sido chamados pela imprensa espanhola de "clã brasileiro" e são acusados de dividir o vestiário do Real, organizando um grupinho exclusivo."Isso é mentira", garantiu Júlio Baptista. "Somos amigos, mas vamos todos numa mesma direção, que é o time." Mas essa divisão teria ficado clara, segundo a imprensa espanhola, no dia em que foi anunciada a demissão de Luxemburgo. De acordo com uma informação, não confirmada pelos atletas, Roberto Carlos teria chamado a atenção de alguns companheiros no vestiário do centro de treinamento do Real.Segundo a imprensa espanhola, um jogador, com a condição de anonimato, teria relatado o episódio. De acordo com ele, Roberto Carlos teria dito: "Já podem ficar contentes, conseguiram o que queriam".

Agencia Estado,

19 de dezembro de 2005 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.