Brasileiros goleiam japoneses no placar e nas estatísticas

A goleada de 4 a 1 do Brasil contra o Japão, nesta quinta-feira, em Dortmund, foi mais do que confirmada nas estatísticas da partida. A seleção dominou com folgas os fundamentos de posse de bola, finalizações certas, teve diversos escanteios a seu favor e tudo isso fazendo pouquíssimas faltas.O Brasil jogou bem ao estilo de Parreira, valorizando bastante a posse de bola. A seleção ficou com 60% do jogo com a bola nos pés, contra só 40% dos japoneses. Mas este fundamento não é a melhor forma de se identificar uma boa atuação baseada nos números como os acertos em finalizações.E foi aí que a seleção arrasou o Japão. Os brasileiros chutaram 21 vezes à meta de Kawaguchi e acertaram incríveis 14 vezes. Um belo aproveitamento de 66%, e sem cair uma vez sequer em impedimento. A equipe de Zico só finalizou nove vezes e acertou três chutes no gol de Dida.Outro número que demonstra a constante pressão brasileira foi o número de escanteios a favor do Brasil: 11 contra 3 para os asiáticos. Aliás, outra característica curiosa foi o número de faltas. Este foi o jogo com o menor números de infrações em toda a história da competição. A seleção fez seis e o Japão nove, com ambas as equipes levando somente um cartão amarelo cada. Com dois gols - marca que iguala a do alemão Gerd Müller como maior artilheiro da história da Copa do Mundo - Ronaldo foi eleito o melhor jogador da partida. Uma volta por cima para coroar a atuação de gala que se esperava da seleção.Veja abaixo as estatísticas do jogo:Finalizações: Brasil, 21; Japão, 9 Finalizações certas: Brasil, 14; Japão, 3 Faltas cometidas: Brasil, 6; Japão, 9 Cartões amarelos: Brasil, 1; Japão, 1 Cartões vermelhos: Brasil, 0; Japão, 0 Escanteios: Brasil, 11; Japão, 3 Impedimentos: Brasil, 0; Japão, 4 Posse de bola: Brasil, 60%; Japão, 40% Melhor jogador da partida: Ronaldo (Brasil)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.