Brasiliense faz a festa pelo acesso

O time do Brasiliense está em festa. Ganhou o jogo, a vaga e ainda manteve uma invencibilidade de 32 jogos disputados em casa. Salários pagos em dia, estádio lotado e velocidade para eliminar as crises, fizeram parte da fórmula do Brasiliense para conquistar o título inédito."Trabalhamos, planejamos, investimos e superamos as dificuldades em conjunto", diz o dono do time, Luiz Estevão de Oliveira Neto. "Mas trabalhamos acreditando que poderíamos conquistar o título", afirmou. Empresário, dono do Grupo OK, Luiz Estevão é o ex-Senador do DF que acabou cassado por um suposto envolvimento no escândalo da construção do edifício-sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo, que resultou na denúncia de desvio de R$ 369 milhões.O time tem como destaque o meia carioca Iranildo, de 28 anos, e o atacante Sérgio Alves, de 22 anos. Desde 1º de agosto de 2000, quando o time surgiu e passou a competir, o Brasiliense já conquistou o título de campeão da Segunda Divisão do DF (2000), vice-campeão da Copa do Brasil (2002), o título da Série C do Brasileiro (2002), Campeão da Primeira Divisão do DF deste ano e agora o título da Série B.O sucesso não impede o Brasiliense de viver suas crises. Numa delas o técnico mineiro Mauro Fernandes foi substituído pelo carioca Edinho Nazaré, de 49 anos de idade. Mauro esbarrou nas críticas de jogadores descontentes e na pressão da imprensa candanga. Os jogadores do ataque (Creedence, Val Baiano e Sérgio Alves) não marcam há 14 jogos. E, há duas semanas, o Brasiliense demitiu um brigão, Abimael, e um chorão, Gerson: "O Gerson criticou o Edinho publicamente", diz o gerente de futebol Paulo Henrique. "Não foi uma boa atitude, isso vai prejudicar sua carreira", comentou Edinho, que acaba de conquistar seu primeiro título nacional.O Brasiliense liderou a fase de classificação onde obteve 46 pontos ganhos em 23 jogos disputados. A média de dois pontos por jogo resultou de 13 vitórias, sete empates e três derrotas. Acabou sendo a equipe que menos perdeu, menos gols sofreu (22) e ainda teve o segundo melhor ataque da competição (43).No quadrangular final, o Brasiliense somou nove pontos ganhos em três vitórias (Bahia, Avaí e Fortaleza). Sofreu duas derrotas (Fortaleza e Avaí), fez cinco gols, sofreu três e tem dois gols de saldo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.