Brasiliense garante vaga inédita

O Brasiliense podia perder por até dois gols de diferença nesta quarta-feira à noite, em Taguatinga (DF), mas confirmou a classificação à final da Copa do Brasil vencendo o Atlético-MG por 2 a 1. O time da capital federal, fundando há menos de dois anos e pertencente ao ex-senador cassado Luís Estevão, foi melhor, como aconteceu no primeiro confronto, no qual bateu o adversário por 3 a 0, em pleno Mineirão, e disputa o título com o Corinthians. O Alvinegro mineiro, desclassificado também da Sul-Minas, pelo rival Cruzeiro, domingo, só volta aos campos no dia 19 de maio, na abertura do Supercampeonato Mineiro.Os jogadores do Atlético tentaram cumprir à risca a estratégia ofensiva planejada pelo técnico Levir Culpi desde o início. Logo aos 5 minutos, Wellington Amorim, escalado de última hora em função das baixas de Kim e de Rodrigo - o primeiro perdeu o irmão, em Juiz de Fora (MG), e o segundo foi vetado por contusão -, recebeu sozinho na área, mas bateu prensado e a bola saiu a escanteio. Aos 10 e aos 12, o centroavante Guilherme teve grandes chances, sendo que na última acertou o travessão do goleiro Donizete.Mais aplicados e tranqüilos em campo, no entanto, os atletas do Brasiliense é que abriram o placar. Aos 17 minutos, em rápido contragolpe, o veterano meia Gil Baiano deixou Wellington Dias na cara do gol, com um passe primoroso. O atacante invadia a área e bateu bem, de primeira, no canto esquerdo de Milagres, que não teve chance de defesa. Os atleticanos, que tinham de fazer quatro gols, demonstraram abatimento. Foram poucas as chances reais de empatar, no restante da etapa, enquanto os donos da casa continuavam atuando nos contra-ataques.Na segunda etapa, o Brasiliense voltou determinado a fazer o segundo e garantir a classificação, o que aconteceu aos seis minutos. Em jogada individual, Wellington Dias, mais uma vez, deixou sua marca: livrou-se de três defensores e bateu forte, no ângulo de Milagres.O Atlético conseguiu diminuir quatro minutos depois. Marques aproveitou bobeada da defesa, invadiu a área e tocou na saída de Donizete. Nem o gol nem as modificações feitas pelo técnico Levir Culpi, reforçando a equipe com Baiano, Bosco e Paulinho, no entanto, não animaram os atleticanos. O Brasiliense, que teve chance de ampliar com Weldon, aos 24, passou a administrar o resultado e o placar não se alterou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.