Briga de torcidas de Atlético e Cruzeiro acaba em morte

Uma briga generalizada entre torcedores do Atlético-MG e Cruzeiro terminou em morte na noite de sábado, em Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar, Otávio Fernandes, de 19 anos, teve a cabeça esmagada por golpes de barra de ferro e chegou morto ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS). Flávio Celso da Silva, de 35, está internado com ferimentos na cabeça, boca e no braço direito. Os dois seriam integrantes da torcida Máfia Azul.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

28 de novembro de 2010 | 15h11

A pancadaria ocorreu em frente ao Chevrolet Hall, casa de eventos no bairro São Pedro, área nobre da capital, onde ocorria o torneio de luta livre 3º Brasil MMA (Mixed Martial Arts) Fight. De acordo com a polícia, os torcedores do Cruzeiro passavam pelo local a caminho do Rio de Janeiro, para assistir à partida entre o time mineiro e o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro.

Um dos ônibus parou no local e um grupo teria descido e começado a cantar hinos do clube. Dentro do Chevrolet Hall, dezenas de atleticanos assistiam ao evento, que teve a participação de César Gordinho Augusto. Ele é integrante da Galoucura, torcida organizada do Atlético-MG, e dá aulas de artes marciais para os atleticanos.

Ainda segundo a PM, cerca de 40 torcedores saíram do local e usaram placas de trânsito e cavaletes de ferro como armas para atacar os cruzeirenses. A briga generalizada durou poucos minutos, mas foi o suficiente para deixar várias manchas de sangue que ainda podiam ser vistas na calçada no início da manhã deste domingo.

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso e deve requisitar imagens gravadas pelas câmeras de segurança de um shopping, que fica ao lado da casa de eventos, para tentar identificar os responsáveis pelas agressões. Na manhã deste domingo, Silva continuava internado em estado grave no HPS.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolAtlético-MGCruzeirobrigamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.