Érico Leonan/São Paulo FC
Érico Leonan/São Paulo FC

Bruno Alves vê duelo contra a Ponte como 'divisor de águas' para o São Paulo

Possível titular ao lado de Rodrigo Caio, zagueiro exaltou a possibilidade de o time tricolor sair da zona de rebaixamento nesta rodada

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2017 | 18h28

O zagueiro Bruno Alves, possível titular ao lado de Rodrigo Caio na zaga do São Paulo no próximo sábado, disse que o duelo contra a Ponte Preta será um "divisor de águas" no time, vice-lanterna no Campeonato Brasileiro com 23 pontos.

"A matemática já não interessa", afirmou. "Temos que buscar vitórias a cada jogo para obtermos os pontos que precisamos. Contra a Ponte, será um divisor de águas em que a gente pode até sair da zona de rebaixamento. Não tem jogo fácil, mas temos que estar preparados para a sequência de jogos".

Aposta de Dorival Junior para o time titular no treino desta quarta-feira, o jogador prefere não confirmar se começará ou não em campo contra a Ponte. "A disputa está em aberto ainda. O Dorival tem três opções (Bruno Alves, Aderllan e Lugano). Quem entrar, vai dar conta do recado e dar seu melhor para ajudar o time. O importante é todos estarem preocupados para dar seu máximo. Todos estão treinando bem".

Bruno Alves exaltou a preparação do time para o jogo de sexta e falou que o São Paulo virá a campo com ajustes feitos em relação a posicionamento e marcação. "Quanto um time toma gol, não é só culpa da defesa. O Dorival comandou vários trabalhos para a defesa, cobrou posicionamento e fez ajustes necessários. Quando o time todo está empenhado na marcação, facilita para todo mundo. Assim como a bola tem que chegar redonda para os atacantes, tem que ter marcação".  

Bruno Alves foi contratado pelo São Paulo no final do mês passado e vive expetativa por estreia com a camisa tricolor. Revelado nas bases do Figueirense, Bruno Alves estava sem clube desde sua polêmica saída do time de Florianópolis. O atleta conseguiu uma rescisão indireta na Justiça do Trabalho por estar com três meses de salários atrasados. Dias depois, os advogados do jogador entraram em acordo com o Figueirense e Bruno abriu mão da indenização a que teria direito, aceitando receber apenas os três salários atrasados.

Tudo o que sabemos sobre:
são paulo futebol clubefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.