Bruno comemora gol e diz que se inspira em Rogério Ceni

Goleiro entrou para a história ao ser o primeiro da posição a marcar um gol no Estádio do Maracanã

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2008 | 19h45

"Minha inspiração veio do Rogério Ceni", declarou Bruno, que entrou para a história do Flamengo como o primeiro goleiro a marcar um gol de falta no Maracanã. E o feito foi importantíssimo. Ele abriu caminho para a equipe da Gávea derrotar o Bolognesi por 2 a 0, no Maracanã, e garantir o segundo lugar na classificação geral da primeira fase da Copa Libertadores. "O Rogério Ceni é um exemplo a ser seguido. Ele incentivou a categoria a cobrar faltas e é um grande profissional", elogiou Bruno, fã do camisa 1 do São Paulo. "Qualquer goleiro tem que ter algo diferente. Isso o valoriza bastante."Um dia após brilhar no Maracanã, Bruno viveu um dia de herói. Distribuiu muitos autógrafos e ganhou muitos tapinhas nas costas. "Não era o meu aniversário, mas recebi muitos parabéns na rua e no clube. Sinal de que o trabalho está sendo bem feito". Bruno é a favor que goleiro cobre falta, desde que treine bastante esse fundamento. "Sempre observei os grandes cobradores, inclusive o Rogério Ceni." Indagado se arriscaria a sorte novamente no clássico contra o Botafogo, no domingo, na primeira partida da final do Campeonato Carioca, Bruno respondeu de primeira: "Leonardo Moura e Juan são os batedores oficiais. Mas se o professor Joel deixar, eu cobro. Já mostrei personalidade."DOR DE CABEÇAO América do México, rival do Flamengo nas oitavas-de-final da Libertadores, já vem atrapalhando a vida do elenco rubro-negro. A delegação terá de acordar hoje de madrugada para ir ao consulado mexicano obter o visto. Somente depois desse compromisso, o grupo segue para a Granja Comary, onde treinará até amanhã para a final do Carioca.Além disso, o Flamengo enfrentará uma viagem longa para o México na semana que vem, entre as duas partidas decisivas contra o Botafogo. "O desgaste já começou", reclamou o atacante Souza, ciente de que o cansaço é mais um adversário do time rubro-negro. "Não queríamos enfrentar o América", admitiu Joel Santana, que comanda o Flamengo até o dia 4 de maio e, em seguida, se apresentará à seleção da África do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.