Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Bruno Henrique minimiza queda do Palmeiras: 'Oscilar é normal'

Antes de clássico com o São Paulo, meia promete que time vai se recuperar das quatro rodadas seguidas sem vitória

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

07 Março 2018 | 15h16

Após quatro rodadas consecutivas sem ganhar pelo Campeonato Paulista, o Palmeiras tem a chance de encerrar a série negativa no clássico desta quinta-feira, contra o São Paulo, no Allianz Parque. O meia alviverde Bruno Henrique disse nesta quarta-feira que a sequência de tropeços não tira a confiança do time para enfrentar o rival e que a partida com o clube do Morumbi representa a oportunidade de se recuperar desses últimos tropeços.

+ Palmeiras redobra atenção para centésimo jogo

+ Tabela do Campeonato Paulista 2018

"Oscilar é coisa natural. A gente não quer isso, quer sempre manter vitórias, o tanto que puder. É normal você tropeçar dessa maneira, até porque alguns pontos negativos mostram no que se pode melhorar", disse o jogador. O Palmeiras nas últimas rodadas empatou com o Red Bull e Ponte Preta, para depois emendar derrotas diante de Corinthians e São Caetano, esta última na segunda-feira.

Os resultados não criaram um ambiente de pressão, mas Bruno Henrique alertou que a situação pode piorar caso o Palmeiras não vença o São Paulo. "Por ser um clássico, o jogo em si traz um peso muito grande. Você ter um resultado negativo faz ventilar muita coisa do lado de fora, traz um momento ruim. A gente está tranquilo, mas sabemos do impacto de um possível resultado ruim", afirmou.

Pelo menos se levado em consideração o histórico, o Palmeiras é amplo favorito. Em cinco jogos contra o São Paulo na arena, foram cinco vitórias, com 16 gols marcados e apenas três sofridos. O clássico de quinta-feira marca ainda o centéstimo jogo do clube alviverde na arena, que foi inaugurada em novembro de 2014.

A preparação para a partida será em treino fechado, um sinal de que os tropeços mexeram com a preparação da equipe. "Mesmo se não estivéssemos com a melhor campanha da competição, o clássico teria o mesmo peso. Sempre tem uma importância grande. A gente perdeu essa 'gordura' no campeonato, então temos que nos preparar muito bem", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.